McVeigh considera pedir suspensão de execução

O terrorista convicto de Oklahoma City Timothy McVeigh se reunirá nesta semana com seus assessores e deverá assinar um pedido de suspensão de sua execução, disse hoje o advogado de defesa Rob Nigh. O pedido seria baseado em cerca de 4.000 documentos que o FBI entregou aos advogados de McVeigh no início deste mês, dias antes da data fixada para a execução do criminoso, responsável pelo atentado à bomba contra um prédio federal de Oklahoma City que causou a morte de 168 pessoas em 1995. O FBI explicou que havia retido os documentos acidentalmente. O secretário de Justiça, John Ashcroft, adiou, então, a execução de 16 de maio para 11 de junho. Em uma declaração emitida hoje, Ashcroft reiterou que o governo lutará nos tribunais contra qualquer novo adiamento. Ele afirmou que "não levar a cabo a execução seria uma negação de Justiça às vítimas deste crime e ao povo norte-americano". O advogado Nigh disse em seu escritório de Tulsa, Oklahoma, que se reunirá amanhã com McVeigh na penitenciária federal de Terre Haute, Indiana, e pedirá sua aprovação de um pedido de suspensão da execução. Nathan Chambers, outro advogado de McVeigh com sede em Denver, disse que seu cliente acredita que os documentos do FBI justificava uma revisão judicial. Segundo o canal de televisão CBS, Ricardo Ojeda, ex-agente especial do FBI em Oklahoma City, enviou uma carta ao senador republicano Charles Grassley em março de 2000, na qual denuncia atos de discriminação e corrupção no escritório do FBI. "Também tenho conhecimento de certas instâncias em outros casos, inclusive Oklahoma City, onde não foram documentadas certas provas", afirmou. O FBI disse que os registros de Ojeda foram entregues aos advogados de McVeigh, mas que nenhuma de suas investigações foi usada no processo. Ojeda disse que foi destituído do FBI depois que ele compareceu em uma audiência de discriminação contra seus superiores.

Agencia Estado,

30 Maio 2001 | 16h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.