Médica chinesa é proibida de deixar o país

Gao Yaojie, uma médica aposentada chinesa de 74 anos, afirmou hoje que autoridades de saúde da China a impediram de viajar para os Estados Unidos, onde receberia um prêmio por sua luta contra a aids. Segundo a médica as autoridades a acusaram de colaborar com as "forças anti-China" por ela ter publicado um estudo sobre a propagação da aids na região central da China, principalmente por causa da industria ilegal de sangue. Gao receberia o Prêmio Jonathan Mann do Conselho Global de Saúde, em uma cerimônia marcada para hoje em Washington. A presença do secretário-geral da ONU, Kofi Annan estava confirmada.

Agencia Estado,

31 Maio 2001 | 21h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.