1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Medidor de trânsito é confundido com bomba e causa pânico no Uruguai

- Atualizado: 14 Janeiro 2016 | 11h 12

Cruzamento na capital Montevidéu próximo ao complexo de escritório onde ficam várias embaixadas foi isolado por bombeiros depois de caixa ser confundida com dispositivo explosivo

MONTEVIDÉU - As forças de segurança do Uruguai esvaziaram casas e estabelecimentos comerciais em um bairro na zona leste da capital Montevidéu na noite de quarta-feira depois que confundiram uma caixa que continha um aparelho de medição do trânsito com uma bomba, informaram fontes do corpo de bombeiros.

Efetivos dessa corporação, além de integrantes do exército e da polícia, mobilizaram uma enorme operação no bairro de Buceo, que conta com muitos escritórios e estabelecimentos comerciais, após receber uma denúncia que alertava sobre a existência de uma caixa "suspeita" em um sinal de trânsito.

Cruzamento em Montevidéu foi isolado por suspeita de bomba na noite de quarta-feira

Cruzamento em Montevidéu foi isolado por suspeita de bomba na noite de quarta-feira

O porta-voz dos bombeiros, Ricardo Píriz, explicou que a caixa estava muito perto de uma farmácia e se trata de uma área próxima ao complexo de escritórios World Trade Center (WTC), em Montevidéu, que conta com várias embaixadas e onde foram encontrados três objetos suspeitos nos últimos meses.

"É uma região muito sensível para esse tipo de coisas", comentou Píriz. Os bombeiros consideraram que a caixa era suspeita e, posteriormente, a mesma foi analisada com um robô de uma equipe antibombas do Exército.

O porta-voz do corpo de bombeiros acrescentou que, após fazer contato com a empresa responsável pelos trabalhos nos semáforos citados, a companhia confirmou que tinha instalado no local uma caixa com uma antena que detecta o sinal de GPS dos veículos.

O objetivo do equipamento é medir o fluxo de veículos para saber como está o trânsito na capital.

"Não tem nada a ver com uma bomba", ressaltou Píriz, que reconheceu que a caixa causou temor nas pessoas e, por segurança, as casas e estabelecimentos comerciais em raio de 100 metros do local foram esvaziados. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX