Medvedev não descarta novas sanções contra Irã

A adoção de novas sanções contra o Irã não pode ser hipótese descartada se não houver algum movimento para balancear sua corrida nuclear, afirmou o presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, em nota do Kremlin. Em entrevista à revista semanal alemã "Der Spiegel", divulgada na íntegra pelo Kremlin, Medvedev confirmou que a Rússia está preparada para ajudar nos trabalhos de enriquecimento de urânio do Irã, desde que Teerã concorde com um plano operado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para resolver o impasse acerca das suas pretensões nucleares.

AE-AP, Agencia Estado

07 Novembro 2009 | 10h43

"Se a liderança do Irã tomar uma posição menos construtiva, teoricamente tudo é possível", afirmou Medvedev. "Não quero que tudo isso termine com a adoção de sanções internacionais, porque elas, via de regra, levam a uma complexa e perigosa direção." A Rússia, que tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, é tida como um participante-chave nas discussões com o Irã, em razão dos laços políticos e econômicos entre os dois países.

Também hoje, a agência de notícias semioficial iraniana, Isna, informou que o legislador conservador Alaeddin Boroujerdi criticou a possibilidade de o país enviar urânio para enriquecimento em outro país. A rejeição aumenta a pressão sobre o governo para recusar a proposta da ONU, que pretende acalmar os ânimos internacionais sobre o programa nuclear do país.

Boroujerdi afirmou que o Irã não embarcará seu urânio pouco enriquecido sob qualquer circunstância. O Irã já havia sinalizado que poderia concordar em enviar apenas "parte" de seu estoque. No entanto, o legislador acredita que Teerã deveria realizar todo o enriquecimento necessário, procedimento que pode transformar o urânio tanto em combustível nuclear quanto em armas militares.

Mais conteúdo sobre:
Irã Rússia nuclear sanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.