1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mídia americana endurece e cobra ação contra bilionário

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 07h 45

Em sintonia com um aparente movimento do Partido Republicano para bloquear Donald Trump, a mídia americana passou a adotar uma posição mais crítica não só com o pré-candidato, mas com a própria legenda. Na segunda-feira, o Washington Post publicou um editorial no qual afirma que o silêncio dos republicanos com relação a Trump é “irracional e imperdoável”.

“Uma vitória pode aquietar muitas reclamações, é verdade. Mas não pode e não será um antídoto para o veneno moral da campanha de Trump. Os líderes do partido que apoiam e celebram sua vitória serão cúmplices do ataque aos valores fundamentais da democracia americana”, afirmou o jornal, que tradicionalmente declara apoio ao Partido Democrata nas eleições.

Ontem, o jornal voltou a cobrar uma atitude do partido: “O impensável está começando a parecer inevitável. Na falta de um extraordinário esforço das pessoas que entendem a ameaça que ele representa, parece que Donald Trump será o indicado do Partido Republicano. Mas a história não será gentil com os líderes republicanos que falharem em fazer todo o possível a seu alcance para impedir que esse demagogo intimidador se torne seu porta-estandarte”.

Também em sua edição de ontem, o jornal The New York Times, além de mostrar a distância entre a linha conservadora ortodoxa do partido – sob a qual o presidente da Câmara, Paul Ryan, prepara a agenda republicana do próximo ano – e as posições do polêmico candidato, trouxe um exemplo concreto da incoerência entre o que diz e o que faz Trump.

Em uma reportagem, o jornal mostrou que, enquanto promete a seu público que levará de volta para os EUA os empregos “roubados por imigrantes ilegais” ou “terceirizados por grandes corporações”, ele recorre a esses trabalhadores, mão de obra barata, para preencher as vagas em seu clube privado Mar-a-Lago Club, em Palm Beach.

Segundo a reportagem, desde 2010, ele requisitou mais de 500 vistos de trabalho para empregados estrangeiros para seu estabelecimento, enquanto pelo menos 300 americanos se inscreveram para as vagas de emprego e foram recusados. Em seis anos, apenas 17 americanos foram contratados para trabalhar em cargos como copeiros, garçons, arrumadeiras, entre outros, no clube de Trump.

O site The Hill publicou, em sua seção de opinião, um artigo no qual afirma que o Partido Republicano tornou-se o “partido do fratricídio”.

“Honestamente, Abe (Abraham) Lincoln deve estar revirando seus olhos no paraíso assistindo a Donald Trump e Ted Cruz se acusando crônica e mutuamente de mentiroso, mau cristão e político sujo impróprio para o cargo, no exemplo mais recente de fratricídio agressivo que tem definido o Partido Republicano moderno”, afirma o texto, que diz que os candidatos da legenda demonstram o mesmo desprezo entre si que demonstram com os democratas. O resultado, segundo The Hill, é um partido dividido e disfuncional que “não poderá unir as pessoas ou governar a nação”.

“Do Congresso republicano à campanha presidencial, a carnificina dentro do Partido Republicano é tão extrema que lembra o enredo de ‘Eu, Claudius’, no qual vários competidores, para se tornar imperador de Roma, vão eliminando um após o outro com traição, intriga e uma dose ocasional de veneno”, conclui o texto.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX