Evan Vucci/AP Photo
Evan Vucci/AP Photo

Mike Pence marca viagem à Coreia do Sul em meio às tensões do programa nuclear da Coreia do Norte

Há preocupações de que Pyongyang conduza teste nuclear durante a visita do vice-presidente dos Estados Unidos

O Estado de S.Paulo

14 Abril 2017 | 01h58

WASHINGTON - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, viajará para a Coreia do Sul neste domingo, 16, o que seus assessores disseram ser um sinal do compromisso dos EUA com seu aliado diante das crescentes tensões sobre o programa nuclear da Coreia do Norte. Enquanto isso, o presidente Donald Trump promete que o governo de Kim Jong Un é um "problema" que será "tratado".

A viagem de 10 dias do vice-presidente ocorre quando a Coreia do Norte comemora o 105º aniversário do nascimento do fundador nacional Kim Il Sung, que será no sábado e é o feriado mais importante do país. Um desfile militar em larga escala é esperado. Há também preocupações de que Pyongyang conduza em breve seu sexto teste nuclear durante a visita de Pence. Caso isso aconteça, a Casa Branca informou que tem planos de contingência.

"Infelizmente, não é uma nova surpresa para nós, ele continua a desenvolver esse programa, ele continua a lançar mísseis no Mar do Japão", disse um consultor da Casa Branca. "Com o regime, não é uma questão de se - é quando. Estamos bem preparados para contrariar isso", completou.

Pence planeja comemorar a Páscoa com tropas dos EUA e da Coreia do Sul no domingo antes das negociações na segunda-feira com o presidente em exercício, Hwang Kyo-ahn. "Vamos consultar a República da Coreia sobre os esforços da Coreia do Norte para fazer avançar seus mísseis balísticos e seu programa nuclear", disse um assessor da política externa da Casa Branca.

As tensões têm aumentado pela península coreana com a chegada de um porta-aviões norte-americano à área e o desdobramento de milhares de tropas dos EUA e da Coréia do Sul, tanques e outras armas, para a maior junção de exercícios militares. Pyongyang alertou sobre a guerra se vir qualquer sinal de agressão vinda do sul da zona desmilitarizada.

O vice-presidente dos EUA também viajará ao Japão, onde ele é esperado para discutir o possível arcabouço de negociações comerciais bilaterais, e fazer paradas na Indonésia e na Austrália. /Associated Press e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.