EFE/Luis Tavárez
EFE/Luis Tavárez

Milhares protestam contra a Odebrecht na República Dominicana

Os manifestantes exigem o fim das operações da construtora brasileira no país e a punição dos que receberam subornos

O Estado de S.Paulo

26 Março 2017 | 17h15

SANTO DOMINGO - Milhares de pessoas marcharam neste domingo pela cidade dominicana de Santiago para exigir o fim imediato das operações da construtora brasileira Odebrecht na República Dominicana. Além disso, os manifestantes exigiam punição para autoridades que receberam subornos da empresa.

Uma das organizadoras do protesto, Altagracia Kubinyi, disse que os manifestantes exigem uma auditoria para determinar se a companhia financiou as campanhas eleitorais do presidente Danilo Medina de 2012 e 2016.

Imagens da emissora de televisão CDN mostraram milhares de pessoas vestidas de verde no protesto em Santiago, 150 quilômetros ao norte da capital Santo Domingo. "Marchamos por nossos filhos", dizia um dos cartazes, enquanto outros deles pediam a prisão de alguns funcionários.

Kubinyi leu à multidão um manifesto com cinco pontos nos quais os organizadores do protesto demandaram a suspensão imediata dos trabalhos da Odebrecht e a instalação de um organismo independente que investigue os supostos subornos que a companhia pagou no país para obter contratos do governo.

A manifestação em Santiago foi a segunda grande marcha no país contra a Odebrecht, após em 22 de janeiro milhares de pessoas irem às ruas de Santo Domingo para exigir uma investigação dos supostos subornos.

Os organizadores dos protestos também coletaram mais de 312 mil assinaturas e as entregaram no fim de fevereiro à presidência para exigir que uma comissão da Organização das Nações Unidas participe nas investigações a fim de identificar os beneficiários das propinas pagas pela construtora brasileira.

De acordo com informação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, executivos da Odebrecht revelaram que pagaram subornos de cerca de US$ 785 milhões em 12 países, entre eles US$ 92 milhões na República Dominicana. Desde que começou a operar na nação caribenha, a companhia participou de 17 das mais importantes obras de infraestrutura no país, sete das quais relativas ao período do governo de Medina.

A procuradoria dominicana abriu em janeiro uma investigação e interrogou vários funcionários, sem revelar até agora as identidades dos beneficiários dos subornos. A instituição e a Odebrecht haviam chegado a um acordo mediante o qual a companhia pagaria uma multa de US$ 184 milhões em troca de continuar a operar no país e que o governo renunciasse a processar os empregados da empresa. O acordo, porém, foi declarado inadmissível por um tribunal. / Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.