Milosevic estará em Haia até julho

O ex-presidente da Iugoslávia Slobodan Milosevic poderá ser transferido para Haia até julho para ser julgado por crimes de guerra e contra a humanidade. Essa é a previsão da procuradora do Tribunal Internacional para a ex-Iugoslávia, Carla del Ponte. Segundo ela, a transferência do ex-presidente da prisão em Belgrado para Haia depende apenas da aprovação de uma nova lei na Iugoslávia que permita isso. Milosevic está preso em Belgrado desde 1º de abril, mas a comunidade internacional quer que o ex-presidente seja transferido para Haia, onde seria julgado pelos crimes cometidos na Guerra da Bósnia, na qual morreram 250.000 pessoas. A lei que se discute em Belgrado permitiria a transferência do prisioneiro. "Estamos próximos de começar a trabalhar sobre as acusações dos crimes cometidos por Milosevic", afirma Carla. Segundo ela, caso o ex-presidente seja trazido para Haia, o processo poderá incluir não apenas os crimes da Guerra da Bósnia que terminou em 1995, mas também os ataques da Iugoslvávia em Kosovo. "Não podemos ficar esperando dois ou três anos para que esses crimes sejam punidos", afirma. Desde que o Tribunal foi instalado, em 1995, 38 pessoas já foram condenadas. A procuradora promete que, até o final do ano, outras prisões serão realizadas e espera que, até o final de 2002, o trabalho da Corte esteja concluído. "Queremos que todos os responsáveis políticos pelos crimes sejam presos", diz. Mas os obstáculos para que isso ocorra não são poucos. Muitos criminosos são protegidos por milícias, e dados do governo bósnio apontam que existiriam mais de mil criminosos de guerra ainda soltos. A própria transferência de Milosevic chegou a ser questionada pelo atual governo, que acredita que o ex-presidente deva ser julgado no próprio país. Carla del Ponte afirmou ainda que, se forem identificados casos de crimes de genocídio nos últimos enfrentamentos na Macedônia, o Tribunal de Haia também investigará. "Temos jurisdição para isso", completa.

Agencia Estado,

17 Maio 2001 | 20h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.