Morte de estudantes em voo da Germanwings abala cidade alemã

16 alunos e 2 professores de escola de Ensino Médio de Haltern am See estavam no voo da Germanwings que caiu nos Alpes franceses

O Estado de S. Paulo

24 Março 2015 | 18h02

 HALTERN AM SEE, ALEMANHA - A pequena cidade de Haltern am See, nos arredores de Dusseldorf, estava em choque ontem após receberem a confirmação de que 16 alunos e 2 professores de um colégio local estavam no voo da Germanwings que caiu nos Alpes franceses, matando as 150 pessoas a bordo. Os estudantes participavam de um programa de intercâmbio na cidade catalã de Llinars del Vallès e regressavam à Alemanha após uma semana na Espanha.

Os alunos do primeiro ano do Ensino Médio do colégio Joseph Koenig retribuíam a visita feita em dezembro de 12 estudantes espanhóis do colégio Giola, que estiveram na cidade para aprender alemão. 

“Era um programa parsa aprender espanhol e eles estavam voltando para casa, depois de provavelmente ter vivido a melhor experiência de suas vidas”, disse a ministra da Educação da Renânia-Westfália do Norte,Sylvia Loehrmann, às lágrimas. “É muito trágico, triste e inexplicável.”

Segundo o prefeito da cidade, Bodo Klimpel, as notícias correram rápido após o primeiro sinal de que o Airbus A320 estava desaparecido. Os alunos do colégio tentaram, sem sucesso, descobrir mais sobre o destino do avião.

“Quando a aeronave não aterrissou e eles não conseguiram contato com os colegas pelo celular, presumiram que o pior tinha acontecido”, afirmou. “Eles foram informados depois que era bastante provável que o acidente tivesse ocorrido e as aulas foram canceladas. 

Vigília. Após a confirmação da queda do jato da Germanwings, uma vigília foi organizada pelos próprios estudantes no fim da tarde. Lágrimas e tristeza marcaram a cerimônia. As igrejas da cidade abriram suas portas para receber os alunos. Missas foram rezadas pelas vítimas do acidente.A direção do centro educativo se reuniu com urgência no instituto e uma equipe de psicólogos da Cruz Vermelha atende os alunos da escola.

“É o pior dia da história da cidade”, acrescentou o prefeito. “Estamos em estado de choque. É a pior coisa que poderia ter acontecido.”

Dor. O prefeito da cidade catalã que recebeu os estudantes alemães, Marti Pujol, também lamentou o acidente. “A cidade inteira está desolada. As famílias daqui conheciam as de lá. Os pais que receberam os meninos foram se despedir deles hoje de manhã”, disse. 

O secretário de Fazenda e Interior de Llinars del Vallès, Josep Aixandri, informou que o grupo de estudantes assistiu a aulas em um centro educativo local.

“É um intercâmbio praticado há muito tempo. Era um grupo de 16 alunos, com idades entre 15 ou 16 anos, e duas professoras que passaram 6 ou 7 dias em Llinars. Nesta manhã eles saíram da nossa estação de trem rumo a Barcelona”, explicou Aixandri.”Estamos todos muito afetados. Particularmente, minha filha recebeu em casa uma aluna do intercâmbio porque ela era companheira de minha neta. Queira ou não, isso nos abalou muito.”/ EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
voo 4U9525 França

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.