Jim Bourg/Reuters
Jim Bourg/Reuters

Morte de Kadafi encerra capítulo longo e doloroso na Líbia, diz Obama

Povo 'agora tem a oportunidade de determinar um destino próprio e democrático', diz americano

BBC Brasil, BBC

20 Outubro 2011 | 17h19

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, 20, que a morte do ex-ditador líbio Muamar Kadafi encerra um capítulo longo e doloroso para a Líbia.

 

Veja também:

blog AO VIVO: Acompanhe as notícias sobre a morte de Kadafi

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

tabela ESPECIAL: Líbia pós-Kadafi

mais imagens GALERIA: Celebrações pelo fim do regime

"Marca o fim de um longo e doloroso capítulo para o povo líbio, que agora tem a oportunidade de determinar seu próprio destino em uma Líbia nova e democrática", disse o presidente, em um pronunciamento na Casa Branca. "Hoje nós podemos definitivamente dizer que o regime de Kadafi chegou ao fim", afirmou o presidente, ao citar como fonte da informação sobre a morte do coronel o anúncio feito pelos líderes rebeldes líbios.

 

O líder americano disse, porém, que a Líbia ainda tem de percorrer um longo caminho rumo à democracia.

 

Responsabilidade

Obama argumentou, porém, que a Líbia ainda tem de percorrer um longo caminho rumo à democracia. "Nós aguardamos ansiosamente o anúncio da liberação do país, da formação rápída de um governo interino e de uma transição estável para as primeiras eleições livres e justas na Líbia", disse o presidente.

Obama pediu que os líbios continuem a trabalhar com a comunidade internacional para garantir a segurança de armas perigosas em território líbio.

O presidente pediu ainda respeito aos direitos humanos de todos os líbios, "incluindo daqueles que foram detidos". Segundo Obama, os Estados Unidos serão parceiros do povo líbio nesta nova fase do país.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.