Mortes em explosão de mina chinesa chegam a 104

Tragédia expõe o perigo da exploração desenfreada de carvão, responsável por três quartos da energia do país

estadao.com.br,

23 Novembro 2009 | 07h52

Parentes de vítimas de uma explosão numa mina de carvão no nordeste da China entraram em confronto com a polícia e exigiam respostas dos proprietários da mina nesta segunda-feira, enquanto a mídia estatal afirmava que 104 pessoas morreram na explosão. O protesto aconteceu um dia depois de 11 mineiros morrerem em uma outra explosão na província de Hunan, sul do país, informou a Xinhua.

 

O governo chinês, obcecado pela estabilidade, está nervoso com qualquer protesto público e estará disposto a manter o descontentamento sob controle. Autoridades e especialistas vinculam a crescente demanda da China por fontes de energia e a necessidade imperiosa de crescimento econômico como uma das causas da explosão. O carvão mineral responde por três quartos da geração de energia na China e as minas são exploradas num ritmo vertiginoso, com prejuízo para os padrões de segurança.

 

A China tem a mais mortal indústria de carvão do mundo, com mais de 3 mil mortes em inundações, explosões, desabamentos e outros acidentes em minas somente em 2008. Para tentar reduzir os riscos, o governo já fechou ou estatizou mais de mil pequenas minas privadas em todo o país.

 

Cerca de 12 mulheres, parentes dos mortos na explosão, enfrentaram as baixas temperaturas para levar suas reclamações contra a falta de informações para a entrada da mina, onde entraram em confronto com a polícia e com a segurança da mina.

"Nenhuma das autoridades morreu, todos os mortos são trabalhadores", gritou uma mulher. "As autoridades ainda estão vivas, os trabalhadores estão todos mortos. Nenhuma dessas autoridades sequer desceu nessa mina". Algumas das mulheres foram levadas para dentro do complexo da mina, outras colocadas em uma van branca. Pelo menos uma mulher foi arrastando gritando para um carro e levada embora.

 

O acidente ocorreu às 2h30 (hora local), depois que o nível de concentração de gases no interior da mina subiu repentinamente. Dos 528 trabalhadores que estavam no local no momento do acidente, 420 tiveram tempo de correr para fora, mas o deslocamento de ar em altas temperaturas provocado pela explosão acabou atingindo mais de 100 trabalhadores ao longo dos túneis da mina centenária. Pelo menos 40 pessoas ficaram feridas.

 

Os mineiros que chegaram ao Hospital do Povo de Xingshan "estavam horrorizados", disse um médico identificado apenas como Chen, que trabalha no local. "Foi horrível, foi horrível", repetia Tang Cunha, morador da cidade mineira de Hegang, que acompanhava as buscas atrás do perímetro de segurança estabelecido pela polícia. Ele comparou o estrondo e o estrago provocados pela explosão a um forte terremoto.

 

Funcionários encarregados de monitorar o nível dos gases na mina contam que, quando pegaram o telefone para avisar os trabalhadores nos andares subterrâneos sobre a iminência da explosão, foram surpreendidos por um forte estrondo.

Mais conteúdo sobre:
China

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.