Mortes em explosão em mina na China sobem para 92

Outros 16 mineradores continuam desaparecidos, após acidente no sábado.

BBC Brasil, BBC

22 Novembro 2009 | 21h39

O número de mortos na explosão de gás no sábado em uma mina de carvão na cidade de Hegang de Heilongjiang, no nordeste da China, próxima da fronteira com a Rússia, subiu novamente para mais 92 pessoas - 16 continuam desaparecidas.

Segundo a agência oficial de notícias Xinhua, o grupo Heilongjiang Longmei, proprietário da mina, afirmou que 528 mineradores trabalhavam no local no momento da explosão e mais de 400 conseguiram escapar.

Autoridades afirmaram que as operações de resgate foram prejudicadas devido aos gases na mina e o desmoronamento de túneis, além do clima muito frio na superfície.

Até sábado, acreditava-se que por volta de 40 pessoas tinham morrido.

A imprensa estatal chinesa relatou que o diretor da mina e outras duas autoridades foram demitidas.

As minas chinesas são as mais perigosas do mundo - milhares de trabalhadores morrem todos os anos em acidentes no setor de mineração.

Nos últimos anos, as autoridades vêm fechando diversas operações menores por falta de segurança.

Falta de condições

Dados oficiais chineses indicam que 3,2 mil trabalhadores morreram em minas em 2008, mas grupos independentes afirmam que o total pode ser ainda maior, já que a maioria dos acidentes seria "acobertada" para evitar o custo alto do fechamento das minas.

A maioria dos acidentes ocorre por falhas na segurança, entre eles falta de ventilação adequada ou equipamento anti-incêndio.

No sábado, o diretor do Administração Estatal de Segurança no Trabalho, Luo Lin, afirmou que o governo fechou cerca de mil minas de pequeno porte somente neste ano, numa tentativa de melhorar a administração e segurança dos locais de trabalho.

A imprensa oficial do país afirma que mais de 12 mil minas de pequeno porte foram fechadas desde 2005. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
china explosão mina carvão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.