Assine o Estadão
assine

Internacional

Bolívia

MP da Bolívia realiza buscas na casa de ex-namorada de Evo

Segundo o diário 'El Deber', Ministério Público tenta localizar documentos para investigação que acusa Gabriela Zapata de lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito e tráfico de influência

0

O Estado de S. Paulo

03 Março 2016 | 17h10

LA PAZ - Funcionários do Ministério Público (MP) da Bolívia que investigam os supostos crimes cometidos pela empresária Gabriela Zapata, ex-namorada do presidente Evo Morales, fizeram buscas na quarta-feira em sua luxuosa casa na capital La Paz para encontrar e confiscar documentos.

Uma das tias de Gabriela, Pilar Guzmán, declarou que os funcionários do MP fizeram buscas no imóvel, onde havia uma menina e uma empregada. "Eles nos disseram que é algo relacionado com o processo, mas nos pegaram de surpresa porque entraram bruscamente", declarou a parente de Gabriela, segundo o jornal "El Deber".

Pilar acrescentou que a menina, que é filha de Gabriela, está "em choque porque ficou assustada (com a ação)" e ninguém informou à família que o pessoal do MP iria se apresentar para buscar documentos.

Gabriela, que até a semana passada era funcionária da empresa chinesa Camce, está presa desde domingo acusada de lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito com prejuízo ao Estado e uso indevido de influências em grau de cumplicidade.

De acordo com o Ministério Público boliviano, a ex-namorada de Morales utilizou escritórios da Unidade de Gestão Social do Ministério da Presidência para se reunir com investidores e fazer acordos com empresários.

Também estão detidas pela mesma denúncia a agora ex-chefe dessa Unidade, Cristina Choque, e o funcionário Jimmy Morales, um motorista do Ministério da Presidência que supostamente dirigiu um veículo oficial que foi utilizado por Gabriela.

A oposição pediu uma investigação por suposto tráfico de influência em relação à empresa Camce, que assinou vários contratos com o governo no valor de US$ 566 milhões, em razão do envolvimento entre Gabriela e o presidente Morales.

O governo boliviano aceitou a investigação dos contratos da Camce que ficará a cargo da Controladoria e de uma comissão do Parlamento.

Gabriela Zapata e Evo Morales mantiveram uma relação por quase dez anos e ambos tiveram um filho em 2007. Inicialmente, se disse que a criança tinha falecido, mas, posteriormente, parentes da mãe asseguraram que o menino está vivo.

Morales, que garante que Gabriela lhe disse que a criança tinha morrido logo depois de nascer em razão de uma doença, pediu que lhe entregassem o menino se ele estiver vivo. Além disso, o governo considera que há uma "articulação política" para atacar o presidente com este tema, alegando que os irmãos de Gabriela têm relação com a oposição. / EFE

Comentários