1. Usuário
Assine o Estadão
assine

MSF pede envio de médicos militares para combater Ebola na África

REUTERS

02 Setembro 2014 | 15h 15

A resposta internacional até o momento tem se concentrado em Ministérios da Saúde sobrecarregados e organizações não-governamentais

Afolabi Sotunde/Reuters
A organização disse que hospitais de campanha com áreas de isolamento devem ser ampliados

Por Misha Hussain

DACAR (Thomson Reuters Foundation) - Os líderes mundiais devem enviar imediatamente equipes médicas civis e militares para combater o maior surto de Ebola do mundo na África Ocidental, disse a chefe da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras, em Nova York, nesta terça-feira.

A resposta internacional até o momento tem se concentrado em Ministérios da Saúde sobrecarregados e organizações não-governamentais para enfrentar o surto excepcionalmente grande da doença, disse a presidente do MSF, Joanne Liu, a Estados membros da ONU em Nova York.

Liu acusou líderes mundiais de "falhar no enfrentamento a esta ameaça transnacional", e disse que eles "essencialmente entraram numa coalizão global de inatividade", apesar do anúncio da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 8 de agosto de que a epidemia representava uma "emergencia internacional de saúde pública".

A declaração dela foi feita após o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, ter afirmado na segunda-feira que muitas pessoas estavam morrendo sem necessidade devido à "resposta desastrosamente inadequada" à doença, e que as nações ricas deveriam compartilhar conhecimento e recursos para ajudar os países africanos.

O Ebola é um vírus hemorrágico para o qual não há vacina ou cura disponíveis. Desde o início do surto em março, mais de 3.000 pessoas foram infectadas em Guiné, Serra Leoa, Libéria, Nigéria e Senegal. Metade dos infectados morreu.

A OMS estabeleceu um "mapa" na semana passada para combater o surto. O vírus, que se espalha por meio do contato direto com fluídos corporais de pessoas contaminadas, pode atingir até 20.000 pessoas e custar 490 milhões de dólares para ser controlada pelos próximos seis meses, segundo a agência.

Segundo o MSF, qualquer equipamento ou pessoal militar enviados à região atingida pelo Ebola não devem ser usados para quarentena, contenção ou medidas de controle de população, e sim para conter a disseminação do vírus, disse o MSF.

A organização disse que hospitais de campanha com áreas de isolamento devem ser ampliados, laboratórios móveis enviados para melhorar o diagnósticos e pontes-aéreas criadas para estabelecer a movimentação de pessoas e material para dentro e fora da África.