1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

MUD quer declarar vacância da presidência

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 23h 11

Oposição venezuelana volta a pressionar por saída constitucional de Maduro e diz que destituição ‘por inépcia’ depende de maioria simples

CARACAS - Líderes da coalizão opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) voltaram nesta sexta-feira a ameaçar com a saída constitucional do presidente Nicolás Maduro e disseram que uma nova alternativa a ser perseguida é declarar o cargo “vago”. Segundo o presidente da Assembleia Nacional, a medida está presente na Constituição e não pode ser derrubada pelo Tribunal Superior de Justiça, controlado pelo chavismo.

“Está previsto na Constituição que se aprove por maioria simples na Assembleia Nacional a figura de vacância da presidência por parte do presidente”, disse Henrique Ramos Allup à rede de TV Globovisión.

Oposição quer declarar vacância na presidência para afastar Maduro

Oposição quer declarar vacância na presidência para afastar Maduro

Na avaliação do opositor, a medida não se restringe apenas à ausência física do presidente, mas à sua inação e imperícia. “Significa que ele deixou de exercer suas faculdades constitucionais por inépcia”, acrescentou o presidente do Parlamento.

Ainda de acordo com Ramos Allup, não há possibilidade que o TSJ reverta a decisão, caso ela seja aprovada. “Não sei que trapaça montaria a Sala Constitucional do TSJ, mas o abandono de cargo se expressa por maioria simples e é o único caso onde expressamente a Constituição não permite a intervenção do TSJ”, declarou.

Segundo o jurista José Ignacio Hernández, há dois tipos de vacância da presidência venezuelana: a física e a funcional, quando o presidente não exerce suas atribuições. “Dizer racionalmente que o presidente não cumpre suas obrigações requer mais que criticar o governo por não fazer nada”, disse. “Implica a falta de exercício sistemática, contínua e regular das funções do cargo.”

A proposta se soma às duas outras estratégias da oposição para tirar Maduro do poder. A primeira é o encurtamento do mandato presidencial para 4 anos, que, em tese, também não depende do TSJ e tem de ser validada em uma votação.

A outra é o referendo revogatório, que pode ser convocado a partir de abril e precisa do respaldo de 20% dos eleitores.

Ainda ontem, o governador de Miranda, Henrique Capriles, voltou a pedir que a MUD se concentre na saída constitucional de Maduro. Ele saiu em caravana pelo país para pedir a saída do chavista.

“Temos de buscar uma mudança política para transformar o econômico e o social pela via democrática e constitucional”, disse Capriles. “Chegou a hora de ativar a mudança para superar a crise. Cada dia de Nicolás no poder são mais 2% de inflação.”/ AFP e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX