1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Na Argentina, Obama respaldará políticas de Macri

- Atualizado: 22 Março 2016 | 20h 32

BUENOS AIRES - Nos dois dias que passará na Argentina, o presidente americano, Barack Obama, respaldará a política econômica e externa de Mauricio Macri, a quem acompanhará numa homenagem a vítimas da última ditadura (1976-1983) amanhã, quando o golpe militar completa 40 anos.

O líder americano, que será alvo de protestos em razão da ajuda americana aos militares, traz o compromisso de abrir documentos secretos do período de exceção. Grupos de defesa de direitos humanos esperam contar com dados da CIA, do FBI e dos departamentos do Tesouro e de Segurança Interna para encontrar desaparecidos e seus filhos.

Líder americano está 'entusiasmado' para trabalhar com Mauricio Macri para recuperar relações dos países, disse assessor

Líder americano está 'entusiasmado' para trabalhar com Mauricio Macri para recuperar relações dos países, disse assessor

Em 2000, 4.600 documentos do Departamento de Estado americano foram divulgados numa negociação entre os governos de Fernando de la Rúa e Bill Clinton. “Naquele lote, descobriu-se que Henry Kissinger tinha dito em 1976 ao almirante argentino César Guzzetti ‘quanto mais rápido tenham êxito, melhor’”, disse ao Estado Guillermo García, então porta-voz do chanceler argentino Adalberto Rodríguez Giavarini.

Na época cogitou-se de que o democrata Clinton tinha interesse em expor o apoio do republicano Kissinger ao golpe. O democrata Jimmy Carter, que governou simultaneamente ao regime argentino, é reconhecido como um dos que mais ajudou a reconstituir o período. 

Obama encaixou a passagem pela Argentina após sua viagem a Cuba para apoiar Macri, com quem se reunirá hoje pela manhã. A abertura econômica e a ênfase com que o argentino pede a libertação de presos políticos na Venezuela foram elogiadas por Obama, que se referiu à antecessora, Cristina Kirchner, como antiamericana. 

Obama dará uma palestra à tarde a jovens empreendedores em um centro cultural no bairro da Boca, antes de um jantar oficial. A recepção, para a qual foram convidados alguns opositores, será no Centro Cultural Kirchner. 

Enquanto Obama visitar amanhã de manhã o Parque da Memória, monumento onde com os nomes de 10,7 mil dos 30 mil desaparecidos ou assassinados na ditadura, uma marcha na Praça de Maio repudiará o golpe e sua presença no país. Obama voa em seguida para Bariloche, onde passará o dia antes de partir para Washington.

Argentina à espera de Obama
REUTERS/Marcos Brindicci
Argentina à espera de Obama

Manifestantes tocam trombones diante do Banco Central Argentina em protesto contra demissão de servidores identificados com o kichnerismo

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX