Sergei Karpukhin/AP
Sergei Karpukhin/AP

Putin diz que Estado Islâmico foi destruído na Síria e ordena retirada de tropas russas

Presidente informou que base aérea e instalação naval devem ser mantidas em território sírio; campanha militar contra o EI durou dois anos

O Estado de S.Paulo

11 Dezembro 2017 | 09h43
Atualizado 11 Dezembro 2017 | 11h01

MOSCOU - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira, 11, que as forças russas comecem a se retirar da Síria, justificando que o objetivo de destruir o Estado Islâmico (EI) na região havia sido cumprido. A campanha militar conjunta de Moscou e Damasco durou dois anos. 

+ Russos e árabes

O anúncio de Putin foi feito durante visita à base aérea russa de Hmeymim na província síria de Latakia. Ele conversou com o presidente sírio, Bashar Assad, e com militares russos. Na semana passada, o Ministério da Defesa russo disse que o objetivo de eliminar o EI da região havia sido alcançado. 

A Rússia começou a lançar ataques aéreos na Síria em setembro de 2015, na maior intervenção do país no Oriente Médio em décadas, favorecendo Assad no conflito e ao mesmo tempo aumentando dramaticamente a influência de Moscou no Oriente Médio.

+ Vladimir Putin vai tentar se reeleger e buscar 4º mandato no Kremlin

O chefe do Kremlin afirmou que "ao longo de dois anos e meio, as forças armadas da Rússia, junto com o Exército sírio, destruíram os grupos terroristas internacionais mais potentes militarmente". 

Putin advertiu, no entanto, que "se os terroristas levantarem a cabeça de novo, lhes atingiremos de tal forma como nunca viram".

Trump declara que Jerusalém é capital de Israel; palestinos veem ato de guerra

 

 

"A tarefa de combater bandidos armados aqui na Síria, uma tarefa que foi essencial resolver com a ajuda de extenso uso de força armada, foi em sua maior parte resolvida, e resolvida de maneira espetacular", disse Putin, em comentários transmitidos em canais de TV russos. Em março de 2016, o presidente russo já havia anunciado a retirada de uma parte das forças russas enviadas à Síria para apoiar Assad, ao constatar a melhoria da situação na guerra contra o Estado Islâmico e outros grupos que lutam contra Damasco.

O presidente russo acrescentou, segundo relatos, que a Rússia manterá a base aérea de Hmeymim e uma instalação naval no porto sírio de Tartous. /REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.