Sergei SUPINSKY/AFP
Sergei SUPINSKY/AFP

Nacionalistas ucranianos capturam brasileiro que combateu com separatistas

Nacionalistas conduziram Rafael Lusvarghi pelas ruas de Kiev com as mãos amarradas nas costas e o obrigaram a pedir a Putin que o troque por soldados ucranianos

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2018 | 20h20

KIEV - Um grupo de ultranacionalistas ucranianos capturou nesta sexta-feira, 4, em um mosteiro em Kiev o brasileiro Rafael Lusvarghi, que combateu nas fileiras dos rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Lusvarghi, de 33 anos, foi levado pelos integrantes de grupos radicais vinculados ao temido Batalhão Azov até a sede do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU), segundo se pôde ver em imagens nas quais um jovem nacionalista esbofeteava o cidadão brasileiro.

+Brasileiro acusado de terrorismo ganha liberdade provisória na Ucrânia

Além disso, o obrigaram a pedir ao presidente russo, Vladimir Putin, que ele seja trocado por soldados ucranianos em poder dos separatistas pró-Rússia.

Os nacionalistas, que conduziram Lusvarghi pelas ruas de Kiev com as mãos amarradas nas costas, pediram energicamente explicações aos representantes do SBU pela libertação de um cidadão estrangeiro que tinha matado ucranianos.

Em seguida, os funcionários levaram Lusvarghi ao interior do edifício, onde foi interrogado, segundo informou a porta-voz do SBU, Elena Guitlianskaya.

Lusvarghi foi condenado em janeiro de 2017 a 13 anos de prisão por participar de atividades terroristas contra o Estado ucraniano, mas foi posto em liberdade no fim do ano passado supostamente por irregularidades processuais.

Aparentemente, o brasileiro decidiu refugiar-se em um mosteiro ortodoxo nos arredores de Kiev, já que as autoridades requisitaram seu passaporte, razão pela qual não podia deixar o país.

O cidadão brasileiro chegou em outubro de 2014 à região de Donestk, onde alistou-se como voluntário nas fileiras dos separatistas pró-Rússia, mas se feriu no ano seguinte e acabou deixando a zona de conflito.

Lusvarghi retornou ao Brasil em meados de 2016, mas voltou à Ucrânia no fim desse mesmo ano atraído por uma falsa oferta de trabalho.

Na realidade, o SBU tinha preparado uma armadilha e o deteve logo após aterrissar no aeroporto internacional de Borispol. Depois, Lusvarghi foi condenado a 13 anos de prisão no primeiro processo desse tipo contra um estrangeiro. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Ucrânia [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.