Não existe Taleban moderado, diz líder da Aliança do Norte

Um dos líderes da milícia Aliança do Norte, Ahmad Wali Massoud, disse hoje, em entrevista exclusiva à Agência Estado , que o seu grupo de oposição - que controla cerca de 15% do território do Afeganistão - não aceitará sob hipótese alguma a presença de representantes do Taleban na formação de um futuro governo no país. O secretário de Estado americano, Colin Powell, declarou ontem em Islamabad, capital paquistanesa, que os EUA estão dispostos a apoiar um futuro governo integrado por taleban moderados no Afeganistão, caso a milícia Taleban seja deposta do poder com os ataques liderados por Washington. "Não existem taleban moderados", disse Massoud. "Com a presença de líderes do Taleban num futuro governo, não haverá paz no Afeganistão." Massoud é irmão de Ahmed Shah Massoud, principal chefe da Aliança do Norte assassinado no mês passado, e faz parte do conselho de onze líderes rebeldes (shura) que controla a milícia, integrado também por outro de seus irmãos, Ahmed Zia. Em Londres, ele é o chefe da missão diplomática do governo do Afeganistão derrubado pelo Taleban. Residindo na Grã-Bretanha desde 1992, Massoud, que tem um mestrado em diplomacia, é um dos principais articuladores internacionais da Aliança do Norte. Ele visita com freqüência o Afeganistão e participou inclusive do funeral de seu irmão. Leia os principais pontos da entrevista: A ofensiva militar dos Estados Unidos no Afeganistão tem obtido sucesso até o momento, como garantem os Estados Unidos e a Grã-Bretanha? Ao longo dos últimos dez dias, os bombardeiros aéreos se concentraram sobre as instalações militares do Taleban. Isso, sem dúvida, além de desmoralizar as forças do Taleban enfraquece também a sua base de apoio à rede de terrorismo fora do Afeganistão. Ao mesmo tempo, esses bombardeios estão encorajando a preparação de nossa própria ofensiva militar. E quando a ofensiva da Aliança do Norte contra o Taleban vai começar? Ainda não sabemos exatamente quando isso ocorrerá, mas quando chegar o momento apropriado, certamente atacaremos. Esperamos que isso aconteça muito em breve pois quando o inverno chegar as tudo ficará mais difícil. A Aliança do Norte está mantendo contatos com os Estados Unidos para uma ação militar coordenada? Nosso governo está em permanente contato com os Estados Unidos. No que diz respeito à uma ação militar coordenada, esperamos que os Estados Unidos ofereçam a cobertura aérea para que possamos realizar o trabalho em terra dentro do Afeganistão. Por que a Aliança do Norte quer realizar sozinha a ação militar terrestre contra o Taleban? Essa é a maneira certa de se realizar essa ofensiva. .Nós conhecemos o país, temos soldados experientes e o apoio necessário, somos capazes de derrotar o Taleban com os nossos próprios recursos e o com o apoio aéreo norte-americano. Em quanto tempo a Aliança do Norte poderá levar para derrotar o Taleban? Desde que a comunidade internacional pressione o Paquistão a realmente parar de oferecer apoio ao Taleban através de seu território, isso poderá ocorrer muito rapidamente, talvez em um ou dois meses. Mas eu repito, isso acontecerá apenas se o Taleban parar de receber ajuda através do Paquistão. Quais as informações que a Aliança do Norte tem sobre o paradeiro de Bin Laden? Sabemos apenas que ele continua na região sul do Afeganistão, com o apoio do Taleban. Segundo o Taleban, os bombardeios aéreos estão causando muitas mortes entre a população civil. Isso é verdade? As nossas fontes vêm informando que estão ocorrendo algumas mortes, mas elas estão sendo muito exageradas pelo Taleban desde o primeiro dia dos bombardeios. Os jornalistas somente podem ver alguns locais bombardeados dentro do Afeganistão, eles não tem liberdade de circulação dentro do país. Muitas das pessoas feridas exibidas pela CNN e outras redes de televisão não foram feridas pelos bombardeios, mas sim há muito tempo, em outros incidentes. O secretário de Estado Colin Powell disse ontem que os Estados Unidos apoiariam um futuro governo no Afeganistão integrado por talebans moderados. A Aliança do Norte aceitaria isso? Não existe taleban moderado. Eu acho que ninguém seria capaz de identificar um taleban moderado. Por isso, nós rejeitamos essa idéia. O afegão que não quiser continuar no Taleban pode mudar de lado ou se entregar. No final das contas, mesmo que ele não queira se entregar, ele será desarmado e poderá continuar no país como um afegão. Mas os líderes de Taleban cometeram vários crimes, contra a população afegã, contra a humanidade, e por isso não há nenhuma forma de se aceitar o Taleban como uma entidade política no futuro governo do Afeganistão. Não aceitaremos isso. Com o Taleban no governo, não haverá paz no Afeganistão. Mas a Aliança do Norte concorda com a proposta do presidente George Bush e do primeiro ministro Tony Blair que prevê um governo no Afeganistão que represente toda a população afegã? Sim, nós também queremos um governo de unidade nacional que represente todas as etnias do Afeganistão, com o monitoramento e supervisão das Nações Unidas. Queremos também uma garantia da comunidade internacional, principalmente das grandes potências, de que ninguém mais vai interferir nos assuntos internos do país na era pós-Taleban. Os afegãos irão criar os seus mecanismos políticos e após alguns anos poderão escolher o seu governo, sem nenhuma interferência externa. Após vinte anos de guerra, os afegãos estão sedentos por paz e vão lutar por isso. Mas, eu repito, o Taleban não seria aceito no governo de unidade, pois ele seria uma ameaça permanente à estabilidade desse governo. A Aliança do Norte poderá ter no futuro uma relação pacífica com o Paquistão? O Paquistão é um Estado agressor e agora, após anos de agressões no sul do Afeganistão, parece estar recuando. O Paquistão precisa admitir a sua agressão, precisa se desculpar por todo sofrimento e destruição que causou a população do Afeganistão por vários e vários anos. O Paquistão precisa também declarar que não terá mais más intenções no futuro, terá de se comprometer que não interferirá mais nos assuntos internos do Afeganistão. Se isso ocorrer, certamente teremos uma boa relação com o nosso vizinho. Nós aceitamos a legitimidade do governo do Paquistão e queremos o mesmo tratamento. O senhor disse recentemente que o Paquistão era um dos principais responsáveis pelos ataques contra os Estados Unidos? Por que? Isso é verdade. Se o governo do Paquistão não tivesse permitido que essa rede de terrorismo no Afeganistão fosse criada, essa tragédia não teria acontecido. Toda a base de terrorismo no sul do Afeganistão, toda a rede de apoio a Bin Laden, foi criada com a anuência de Islamabad. Ao longo de todos esses anos, o abastecimento de commodities, petróleo e armamentos para a rede de terrorismo ocorreu através das fronteiras com o Paquistão. Há na comunidade internacional um grande temor de que um novo governo do Afeganistão não iria resolver os problemas do desrespeito aos direitos humanos no país, pois ele seria integrado por várias pessoas que participaram do governo do período pré-Taleban, quando os mais básicos direitos humanos também era violados. O futuro governo do Afeganistão será baseado em princípios democráticos. Antes do Taleban, o Afeganistão tinha um bom desempenho no que se refere aos direitos humanos. O respeito aos direitos humanos é essencial e será defendido. Leia o especial

Agencia Estado,

17 Outubro 2001 | 09h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.