Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Navio chinês entra em operação e aumenta tensão no leste da Ásia

Internacional

AP Photo/Xinhua, Li Tang

Navio chinês entra em operação e aumenta tensão no leste da Ásia

A entrada em operação limitou-se à leitura de um curto comunicado do oficial político da tropa embarcada, capitão Li Dongyou, informando que “o CV-16 está pronto para combate”

0

Roberto Godoy ,
O Estado de S. Paulo

22 Novembro 2016 | 05h00

O navio chinês Liaoning, já foi russo e, em 1988, se chamava Riga. Depois, redirecionado para novas funções, foi rebatizado Varyag e, em 1990, com o fim da União Soviética, foi abandonado na linha de montagem quando faltava pouco, não mais de 32%, para ficar pronto. 

Depois disso, quase virou sucata em Hong Kong, foi comprado pelo estaleiro estatal Dalian e passou por um processo de modernização que durou até duas semanas atrás, quando formalmente entrou em condição de batalha – é o primeiro porta-aviões da China, um gigante de 67 mil toneladas, com seus caças e helicópteros, mais os 2.606 homens e mulheres de bordo. 

Não houve cerimônia formal. A entrada em operação limitou-se à leitura de um curto comunicado do oficial político da tropa embarcada, capitão Li Dongyou, informando que “o CV-16 está pronto para combate”.

É um fator novo de perturbação no delicado equilíbrio regional. A função do grupo de batalha liderado pelo porta-aviões – fragatas, destróieres, talvez um submarino –, é projetar o poder militar da China. Uma das áreas prioritárias é um arquipélago árido, formado por meia dúzia de ilhas rochosas, entre o Mar do Japão e o Mar da China, reivindicado por Pequim, Tóquio, Seul e Taiwan. 

São apenas 8 quilômetros de afloramento; 187 km² de ponta a ponta. Mas o valor estratégico é grande. Pela legislação internacional, a partir de Senkaku, para os japoneses, ou Diaoyu, para todos os outros pretendentes, é possível prolongar uma zona de interesse econômico abrangendo reservas de petróleo e gás, além de estoques de pesca. 

Vale tanto que a Força de Superfície da Marinha do Exército da República do Povo tratou de construir sobre as pedras uma superfície artificial para receber pista de pouso e um sólido atracadouro. Os demais governos envolvidos no litígio protestaram. O Japão ameaçou despachar uma flotilha armada e mantém desde abril uma rotina de voos de reconhecimento.

O Liaoning CV-16 é a nau capitânia da frota chinesa, o que significa que é a representação naval do Estado. É um clube pequeno o dos 19 porta-aviões em atividade no mundo. O maior grupo, 11 unidades, todas de propulsão nuclear, é dos EUA. Brasil, França, Índia, Rússia e Tailândia mantêm um cada. Itália e Espanha têm dois, mas a conta é técnica: os reservas estão desativados. 

O Japão deveria entrar no inventário, mas, limitado pelos acordos do pós 2.ª Guerra, batizou suas quatro embarcações de “porta helicópteros-destróieres”. São mais do que isso. Deslocando de 18,5 mil a 24 mil toneladas, levam 970 tropas e tripulantes. Claro, no convés há um certo número de helicópteros, mas os sistemas foram feitos para lançar e receber avançados caças americanos F-35 de decolagem vertical e os transportadores MV-22 Osprey, que deixam a pista como helicópteros e voam como aviões.

O CV-16 navega com uma frota reduzida de oito caças J-15 de configuração naval mais dois tipos de helicópteros, novos componentes da família Z, destinados à luta antissubmarino, antiminas e inteligência eletrônica. Preparado para ação completa, o Liaoning terá 20 supersônicos alinhados, cada um deles com alcance de até 3,5 mil km, capazes de receber 7 toneladas de bombas, mísseis e foguetes.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.