1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Nenhum acordo será aceito com ataques de Hamas

Estadão Conteúdo

17 Agosto 2014 | 16h 13

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, alertou que nenhum acordo de longo prazo para finalizar a guerra na Faixa de Gaza será aceito, a menos que os governantes do território do Hamas parem de autorizar disparos e lançar foguetes contra Israel.

A declaração foi feita no momento em que representantes de Israel e da Palestina retomaram as negociações indiretas no Cairo para o fim da guerra. "Se o Hamas pensa que continuar a lançar foguetes irá nos forçar a fazer concessões, este é um erro", disse o líder israelense no início de uma reunião semanal, em seu gabinete. "Se o Hamas pensa que nós não podemos aguentar por um longo prazo, este é um erro".

Um cessar-fogo de cinco dias entre Israel e Hamas está marcado para terminar à meia-noite de segunda-feira, no horário local, e não há indicações de que ambos estão próximos de fechar um acordo para acabar com o conflito. Este é considerado o terceiro maior confronto militar entre Israel e Hamas desde 2007.

Israel rejeitou 10 pontos de um acordo feito por mediadores egípcios na sexta-feira. Segundo o plano, o Hamas seria obrigado a parar de lançar foguetes e morteiros a partir de Gaza. Em troca, Israel teria que reconhecer o governo formado em junho pelo Hamas e Fatah, a facção política que domina a Autoridade Palestina e governa a Cisjordânia.

O plano também pedia um atraso de um mês nas discussões sobre a construção de um porto e um aeroporto na Faixa de Gaza, além do pedido de Israel de retorno dos restos mortais de Oron Shaul e Hadar Goldin, os dois soldados israelenses mortos durante os combates em Gaza. Fonte: Dow Jones Newswires.