1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Netanyahu critica proposta da França de reconhecer o Estado da Palestina

- Atualizado: 31 Janeiro 2016 | 13h 32

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, criticou neste domingo a proposta da França de reconhecer a Palestina como um Estado soberano, chamando-a de um incentivo para que os palestinos não se comprometam com as negociações para resolver seu conflito de longa data.

A França disse na sexta-feira que poderia reconhecer o Estado da Palestina se a última tentativa de estabelecer um processo de paz entre as duas regiões durante a conferência internacional falhar. Netanyahu disse em uma reunião semanal de gabinete realizada hoje que a proposta significava que a França apoia eficazmente a liderança palestina.

"Ouvi a proposta dos círculos franceses de convocar uma conferência internacional com uma ameaça no final da mesma: se não houver êxito, a França aceitará na prática a postura palestina", disse Netanyahu durante a reunião semanal do Conselho de Ministros.

Ele reiterou que Israel estava preparado para entrar em negociações diretas com os palestinos, mas sem pré-condições ou termos ditados pela comunidade internacional.

O chanceler francês Laurent Fabius disse que a França iria tentar convocar um evento internacional com os israelenses, os palestinos e os Estados árabes para iniciar as negociações sobre um acordo de paz.

Autoridades palestinas acolheram favoravelmente a proposta da França e apelaram a outros países para pressionar Israel a cessar a construção de assentamentos em terras que capturou após a guerra de 1967 entre árabes e israelenses e em que os palestinos querem construir um futuro Estado.

"Vamos empenhar-se seriamente com esta iniciativa francesa para alcançar a solução de dois Estados", disse Saeb Erekat, negociador-chefe palestino nas conversações de paz, à Rádio do Exército de Israel no domingo. "Estamos sob sua ocupação e você deve entender isso", acrescentou.

A conversa mediada pelos EUA sobre as negociações entre israelenses e palestinos se desfez em 2014 em uma série de pontos de atrito, incluindo trocas de terras e trocas de prisioneiros, e as relações entre os dois lados desde então se deteriorou acentuadamente.

Nos últimos quatro meses, os palestinos lançaram ataques quase que diários contra israelenses que as autoridades palestinas culpam a frustração pública na ocupação continuada da Cisjordânia de Israel.

Desde setembro, palestinos mataram 26 israelenses e feriram outras dezenas, principalmente com ataques com facas. O contra-ataque israelense, por sua vez, matou 150 palestinos desde setembro, sendo 105 deles identificados por Israel como os autores dos ataques. O restante morreu em confrontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX