Assine o Estadão
assine

Internacional

Estados Unidos

Neve paralisa Estados e afeta 85 milhões de pessoas

Tempestade histórica leva governadores a decretar situação de emergência

0

O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2016 | 16h45

Uma tempestade de neve com proporções históricas atingiu a Costa Leste dos EUA, causando a morte de 19 pessoas e paralisando algumas das principais cidades do país, como Nova York e Washington DC. A tormenta levou governadores de 11 estados a decretar situação de emergência. Serviços foram suspensos e as autoridades pediram aos cidadãos que não saíssem de suas casas.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, afirmou que a nevasca “muito provavelmente é uma das mais perigosas da história”. A prefeitura da cidade proibiu a circulação de veículos, exceto em casos de urgência, e De Blasio avisou que os motoristas que descumprissem a ordem estariam sujeitos a detenção. A proibição de tráfego foi decretada, ainda, pelo governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, passando a abranger todo o território.

A nevasca mais intensa registrada na história de Nova York ocorreu em 2006, com total registrado de 68,3 centímetros de neve. Segundo De Blasio, o fenômeno iniciado neste sábado poderia alcançar e superar a marca dos 70 centímetros.

A maioria das mortes registradas ocorreu em acidentes rodoviários causados pelo congelamento das pistas. Casos foram relatados por departamentos policiais dos Estados de Arkansas, Carolina do Norte, Kentucky, Ohio, Tennessee e Virgínia. Outra das vítimas, no Estado de Maryland, morreu ao sofrer um enfarte enquanto tentava limpar neve com uma pá.

Na capital americana, foram registrados cerca de 60 centímetros de precipitação de neve. A tempestade ganhou força de forma inesperada pelos meteorologistas após passar por Washington e seguiu para Nova York. Cerca de 85 milhões de pessoas ficaram sob estado de emergência no total. 

Transtornos. Mais de 4,3 mil voos foram cancelados em consequência da nevasca. O avião que transportava o secretário de Defesa dos EUA, Ashton Carter, foi desviado de Washington para a Flórida. Carter ficaria fora da capital até que houvesse condições para pouso na base militar de Andrews. O secretário retornava de sua viagem ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. 

Os serviços de trens, metrô e ônibus nas principais cidades atingidas foram suspensos. Autoridades também pediram aos comerciantes que fechassem as portas de suas lojas. 

“Nossa mensagem, e precisamos que as pessoas a ouçam, é para que fiquem em suas casas e fora das ruas. Isso inclui pessoas que estão tentando dirigir, mas também algumas que estão a pé”, afirmou a prefeita de Washington, Muriel Bowser.

Apesar dos apelos, muitos moradores e turistas saíram às ruas para tirar fotos e brincar na neve. Na capital, imagens da emissora CNN mostravam crianças com trenós e alguns adultos esquiando em meio à tempestade.

Prognóstico. A precipitação de neve deveria continuar neste domingo em algumas das regiões da Costa Leste, informou o Serviço Nacional de Meteorologia americano, mas perderia força nas principais cidades. 

Nova York esperava começar a voltar à normalidade já na segunda-feira e atividades como a abertura da Bolsa de Valores não haviam sido canceladas até a noite de ontem. / REUTERS e NY

Comentários