1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Nigéria monitora 400 pessoas que tiveram contato com médico que morreu por Ebola

STE - REUTERS

04 Setembro 2014 | 11h 21

Autoridades nigerianas estão monitorando quase 400 pessoas em busca de sinais de Ebola após elas terem entrado em contato com um médico de Port Harcourt que morreu da doença mas escondeu o fato de ter sido exposto, disse um representante de saúde da Nigéria nesta quinta-feira.

O doutor Abdulsalami Nasidi, diretor de projetos do Centro de Controle de Doenças da Nigéria, disse haver um sentimento de “desesperança" devido à falta de medicamentos ou vacinas provados para tratar o Ebola, que já infectou 18 pessoas na nação mais populosa da África.

Em uma entrevista à Reuters em Genebra, ele disse que mais alas de isolamento estavam sendo abertas, mas expressou confiança de que não haveriam “muitos casos” lá.

Após ter contato com um paciente com Ebola, o médico de Port Harcourt, identificado por autoridades locais como Iyke Enemuo, continuou tratando pacientes e encontrou-se com diversos amigos, parentes e médicos, deixando cerca de 60 pessoas em risco de contágio, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) na quarta-feira. O médico morreu em 22 de agosto.

A esposa dele, que também é medica, e um paciente no mesmo hospital foram infectados com o Ebola, segundo a OMS.

“Tudo sobre este médico era secreto. Ele violou nossas regras de saúde pública ao tratar um paciente que estava com um agente altamente patogênico e revelou a ele que havia tido contato com o Ebola e não queria ser tratado em Lagos, por medo de ser colocado em isolamento”, disse Nasidi.

“Ele tratou do paciente em segredo dentro do hospital. Quando ficou doente, não revelou para seus colegas que teve contato com alguém com Ebola. Ele foi levado para o Hospital Geral, um hospital particular que atende todo mundo."

“Este é o único caso que efetivamente escapou de nossa rede de segurança. Estamos pagando por isso agora”, disse Nasidi.

Ele falou durante uma reunião de especialistas da OMS que busca acelerar o desenvolvimento de drogas e vacinas para o Ebola.

O vírus mortal pode se propagar pelo contato direto com fluídos e secreções corporais de uma pessoa infectada, ou durante rituais de sepultamento, diz a OMS.

O mais recente surto da doença, que abrange Guiné, Libéria, Serra Leoa, Nigéria e Senegal, já deixou mais de 1.900 pessoas mortas, número maior do que todos os surtos de Ebola desde que a doença foi descoberta em 1976.

“As pessoas estão vivendo em um Estado de desesperança, vendo a doença sem cura ou vacina, mas com grande potencial de contágio”, disse Nasidi.

(Reportagem adicional de Antony Paone em Genebra)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo