AP Photo/Seth Wenig
AP Photo/Seth Wenig

Nova York e Las Vegas reforçam esquema de segurança para festas de ano-novo

Chefe da polícia nova-iorquina disse que não há ameaças na cidade, onde cerca de dois milhões de pessoas são esperadas na Times Square; em Nevada, autoridades trabalham para evitar um episódio como o de outubro, quando um atirador matou mais de 50 pessoas de seu quarto de hotel

O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2017 | 12h16

NOVA YORK, EUA - A cidade de Nova York terá uma grande mobilização de policiais, a maior em muitos anos, para a festa do ano-novo na Times Square, onde são esperadas mais de dois milhões de pessoas, informaram as autoridades na quinta-feira 28.

+ Análise: Quando podemos chamar um ataque de terrorismo?

O reforço da segurança ocorre após os dois ataques recentes contra a cidade: um fracassado com bomba em um túnel do metrô no dia 11 de dezembro, e o atropelamento que deixou oito mortos no fim de outubro.

+ Artigo: Nos EUA, terroristas preferem armas a carros

O chefe da polícia de Nova York, James O'Neill, declarou que não há ameaças, mas prometeu "a mais forte presença policial vista nos últimos anos", um dispositivo que definiu como "prudente" diante dos incidentes recentes.

Ele destacou que haverá mais cães detectores de bombas, mais equipes contra franco-atiradores e mais oficiais no local do que em 2016. Veículos de bloqueio e caminhões com areia fecharão a Times Square, o tráfego na região será restrito e os espectadores serão submetidos a dois pontos de controle para entrar na área.

Também haverá equipes com armas pesadas e patrulhas com cães para evitar um ataque como o realizado em outubro em Las Vegas, quando um atirador fez diversos disparos de seu quarto de hotel e matou 58 pessoas que participavam de um festival de música country.

Prevenir outra tragédia

A cidade de Las Vegas também reforçará as medidas de segurança com quase 2 mil membros da Guarda Nacional e da polícia local, com apoio aéreo e de franco-atiradores para garantir a segurança na passagem de ano.

O aeroporto e outros pontos sensíveis da cidade dos cassinos, onde aconteceu o ataque em outubro, receberão vigilância especial para que as mais de 330 mil pessoas esperadas possam receber 2018 tranquilamente.

Para isso, além da presença de 1,5 mil policiais e 360 membros da Guarda Nacional (uma força militar mobilizada em situações de emergência e coordenada pelos Estados), ao menos 20 veículos militares vigiarão a área e unidades de resposta rápida desdobradas habitualmente neste tipo de comemorações ficarão a postos.

"Temos os helicópteros que estarão monitorando a área, atendimento médico em pontos especiais e franco-atiradores em certos edifícios que, por razões óbvias, não podemos divulgar quais são", afirmou o oficial Aden Ocampo-Gómez.

O porta-voz da Polícia Metropolitana de Las Vegas disse que, apesar do forte esquema, os visitantes não notarão a "diferença" e poderão "se divertir sem sentir que algo acontece".

A polícia também indicou a veículos de imprensa locais que utilizará drones para vigiar a multidão e observar qualquer tipo de atividade incomum, além de identificar e rastrear possíveis pacotes suspeitos.

O público só poderá entrar na área com bolsas ou carteiras pequenas nas quais não seja possível carregar nenhum tipo de arma nos cinco quilômetros da principal avenida da cidade, que ficará fechada para o tráfego na noite de domingo.

Além disso, a região ficará protegida com cerca de 800 blocos de cimento para evitar que alguém possa entrar com um veículo para cometer um atropelamento em massa. / AFP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.