AFP PHOTO | EHSAN ULLAH
AFP PHOTO | EHSAN ULLAH

Número de mortos em terremoto no Afeganistão e no Paquistão sobe para 311

Segundo autoridades dos dois países, maioria das vítimas eram paquistanesas: 237; mais de 2,5 mil pessoas ficaram feridas em razão do abalo

O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2015 | 10h58

PESHAWAR, PAQUISTÃO - Enquanto as equipes de resgate ainda tentam chegar nas áreas mais remotas do Afeganistão e do Paquistão que foram atingidas na segunda-feira por um terremoto de 7,5 graus na escala Richter, as autoridades aumentaram nesta terça-feira, 27, para 311 o total oficial de mortos, número que deve crescer ao longo da semana.

De acordo com autoridades dos dois países, até o momento são 237 motos no Paquistão e 74 no Afeganistão em razão do tremor, cujo epicentro foi registrado nas profundidades das montanhas Hindu Kush, na província afegã de Badakhshan.

Desde segunda-feira, as autoridades do país enfrentam muitas dificuldades para chegar até as zonas mais afetadas - perto do epicentro - a 73 quilômetros ao sul de Fayzabad , capital da Província de Badakhshan.

No Paquistão, o vale de Swat e as áreas próximas de Dir, Malakand e Shangla, nas montanhas de Khyber Pakhtunkhwa, estão entre as áreas atingidas pelo terremoto. O povoado paquistanês mais próximo do epicentro é Chitral.

Até a manhã desta terça-feira, as autoridades estimavam que mais de 2 mil pessoas ficaram feridas após o sismo e pelo menos 2,5 mil casas foram danificadas, apenas no lado paquistanês. No Afeganistão, Ismail Kawusi, porta-voz do Ministério da Saúde, afirmou que os hospitais já atenderam 457 feridos. 

O governador de Badakhshan, Shah Waliullah Adeeb, afirmou que no total 13 distritos da província foram atingidos, deixando mais de 1,5 mil casas total ou parcialmente destruídas.

"O número de mortos certamente aumentará até o fim do dia, depois que as equipes de resgate conseguirem chegar até aos povoados mais remotos", disse Adeeb.

O primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif, visitou nesta terça-feira a região de Shangla, onde ao menos 49 pessoas morreram e outros 80 ficaram feridas. Sharif também participou de uma reunião na capital, Islamabad, sobre os danos causados pelo tremor.

Em nota, o premiê elogiou os esforços das equipes de resgate e disse que o Paquistão era "capaz o suficiente para resgatar e reabilitar todos os afetados pelo terremoto". Sharif disse também que faria tudo que fosse possível para ajudar os afetados e, por isso, seu governo já preparava o anúncio de um pacote de ajudas para compensar essas pessoas.

Em outubro de 2005, um terremoto de 7,6 graus na escala Richter atingiu o norte do Paquistão, deixando mais de 80 mil mortos e 3 milhões de desabrigados. Na ocasião, porém, o tremor foi muito perto da superfície - a cerca de 10 quilômetros -, enquanto que o tremor de segunda-feira foi bem profundo, a aproximadamente 213 quilômetros da superfície. / AP

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão Paquistão Terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.