Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Número de mortos nos atentados em Bruxelas sobe para 35

Internacional

AFP PHOTO / JOHN THYS

Número de mortos nos atentados em Bruxelas sobe para 35

Segundo ministra da Saúde belga, quatro pacientes morreram no hospital. Centro de crises informou que 28 vítimas foram identificadas

0

O Estado de S. Paulo

28 Março 2016 | 08h06

BRUXELAS - O número de mortos nos ataques a bomba de terça-feira no aeroporto de Bruxelas e em um vagão do metrô subiu para 35, disse a ministra da Saúde belga, Maggie De Block, nesta segunda-feira, 28.

"Quatro pacientes morreram no hospital. Equipes médicas fizeram tudo que foi possível. Total de vítimas: 35. Coragem para todas as famílias", disse a ministra em uma publicação no Twitter.

O número inclui três suspeitos homens-bomba. Mais de 300 pessoas ficaram feridas.

O centro de crises da Bélgica já havia informado anteriormente que 28 das vítimas haviam sido identificadas. Destas, 15 pessoas morreram no aeroporto, sendo 6 belgas e 9 de outros países. Das 13 vítimas da explosão no metrô, 10 eram belgas e 3 estrangeiras. Os estrangeiros mortos nos ataques eram de nacionalidade britânica, chinesa, holandesa, francesa, alemã, italiana, sueca e americana.

As autoridades belgas identificaram oficialmente 28 vítimas dos atentados na Bélgica, enquanto 3 famílias ainda esperam a verificação de um teste de DNA. A atualização dos últimos dados, divulgada no domingo pelo centro de crises da Bélgica, não inclui os terroristas suicidas do atentado, que são três por enquanto.

O centro esclarece que as nacionalidades dos estrangeiros mortos pode diferir com os dados do Ministério das Relações Exteriores porque algumas vítimas podem ter dupla ou inclusive tripla nacionalidade.

"Identificamos oficialmente um total de 28 vítimas. Três famílias ainda esperam a identificação de seus entes queridos", explicou o centro de crises.

Foram recuperados até agora 31 corpos sem vida nos locais dos atentados, sem contar os responsáveis pelos incidentes. /REUTERS e EFE

Comentários