1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Obama, debate e democracia

Adriana Carranca

- Atualizado:09 Janeiro 2016 | 19h 02

Kim Jong-un, da Coreia do Norte, deu largada no ano que promete ser tão nebuloso quanto a notícia do teste que teria conduzido com bomba de hidrogênio; um ano de crise econômica global, com o tigre chinês no olho do ciclone, e disputas regionais mais acirradas, a exemplo de Arábia Saudita e Irã. Nenhuma destas crises é exatamente nova. 

Uma nova saída para um velho problema é o que parece buscar o presidente Barack Obama diante do imbróglio sobre o controle de armas nos EUA, outro assunto antigo - tão antigo quanto a Segunda Emenda constitucional americana - que dominou as manchetes internacionais dessa semana. Escrevi coluna recente sobre o tema, não cabe retomá-lo. Mas há uma singularidade no debate atual, que talvez tenha passado despercebida, e ela reside no debate em si. 

Na noite de quinta-feira, durante mais de uma hora, Obama se submeteu a uma sabatina pública em que respondeu a perguntas não programadas de uma plateia sobre controle de armas. Entre eles, opositores à proposta como uma vítima de estupro, um executivo da indústria de armas e o xerife republicano Paul Babeau, do Arizona. Ao todo, cerca de cem pessoas estavam no auditório. 

É algo raro para um presidente. Obama costuma falar em eventos públicos e à imprensa, mas raramente exposto ao confronto direto com cidadãos. O que quer com isso? Obama está no fim do segundo mandato. Não terá tempo para confiscar as 350 milhões de armas em circulação nos EUA - como a oposição acusa, numa velha e clara tentativa de abafar qualquer diálogo. Ao aceitar o desafio, Obama forçou a sociedade americana a retomar o debate de um tema que é reavivado a cada novo massacre, quando somos inundados por um tsunami de opiniões inflamadas e partidárias, apenas para naufragar como começou: sem solução.

“Vamos pelo menos entender. Vamos tentar alguma coisa”, disse o presidente ao responder à primeira pergunta do público, feita por Taya Kyle, viúva de Chris Kyle, atirador de elite conhecido como o sniper americano que acabou morto por um veterano de guerra que sofria de estresse pós-traumático. Em poucos momentos o debate ecoou a polarização partidária cega que tão frequentemente obstrui os debates e reformas.

Obama chegou a admitir: “Eu tenho sido muito bom para os fabricantes de armas”, referindo-se a um recorde de vendas em sua gestão. Sua posição pelo controle é a mesma desde a campanha de 2008. Mas as tentativas de aprovar medidas nesse sentido no Congresso fracassaram. Na prática, o presidente fez pouco. Tão pouco quanto seus antecessores, coagidos pelo forte lobby das armas liderado pela Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês) - que, aliás, recusou convite para o debate. No lugar disso, recorreu a uma declaração unilateral na FOX News, onde não seria contestada. À CNN, o porta-voz da entidade, Andrew Arulanandam, disse que a NRA “não vê razão para participar de um espetáculo de relações públicas orquestrado pela Casa Branca.” 

Ele está enganado. O debate público só é um “espetáculo” para os que desdenham da democracia. 

Na Grã-Bretanha, o primeiro-ministro é sabatinado semanalmente. Durante meia hora, responde à oposição sobre cada passo dado na semana. As sessões ocorrem desde 1881, conduzidas com dramaticidade shakespeariana - mas longe do confronto burro e raivoso, que recorre a xingamentos e agressões, tão comuns hoje, do Leblon a Brasília. “O que o mundo precisa, e uma das coisas que este país (EUA) mais precisa, é uma forma melhor de conduzir debates políticos. Precisamos redescobrir a arte perdida da argumentação democrática”, defende o professor de Harvard Michael Sandel. É do confronto civilizado de ideias que se faz democracia, o resto é propaganda fascista ao melhor estilo Kim Jong-un.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX