Larry Downing/Reuters
Larry Downing/Reuters

Obama dá sinal verde a sanções contra petróleo do Irã

Medidas entrarão em vigor no final de junho, quando embargo da UE ao país também começará

Efe,

30 Março 2012 | 16h23

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta sexta-feira que existe "suficiente oferta de petróleo de outros países" e por isso deu sinal verde às sanções contra o Irã e nações que comprem este produto de Teerã.

Veja também:

linkVISÃO GLOBAL: O falso debate sobre um ataque ao Irã

linkEUA: Tempo para Irã resolver questão nuclear se esgota

 

A medida tem como objetivo isolar o governo iraniano num momento de crescente tensão devido aos temores de que o programa nuclear do Irã desenvolva armas nucleares.

"Existe suficiente oferta de petróleo de outros países além do Irã para permitir uma significativa redução do volume de petróleo comprado deste país por meio de instituições financeiras internacionais", explicou Obama em memorando divulgado pela Casa Branca.

Com isso, os EUA podem aplicar uma nova rodada de sanções estipuladas pelo país com o objetivo de asfixiar o Banco Central do Irã, por meio do qual são realizadas a maioria das compras do petróleo iraniano.

As sanções entrarão em vigor no final de junho. Nesta mesma data, o embargo aprovado pela União Europeia às importações de petróleo iraniano também começará.

Obama explicou que tomou "esta decisão após analisar as atuais condições econômicas globais, o aumento da produção em alguns países, o nível de capacidade de produção e a existência de reservas estratégicas".

No entanto, ressaltou que manteria "uma vigilância sobre a situação para garantir que o mercado possa continuar comportando uma redução das compras de petróleo do Irã".

As sanções dos EUA não incluem países que seguirem comprando petróleo do Irã mas diminuirem significativamente o volume das importações, embora esta redução não tenha sido quantificada.

O anúncio de Obama ocorreu num momento de subida do preço da gasolina nos EUA durante um ano eleitoral, o que provocou críticas dos republicanos.  

Mais conteúdo sobre:
Irã nuclear Obama EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.