(AP Photo/Ryan Kang)
(AP Photo/Ryan Kang)

Obama visitará Roseburg, cidade onde ocorreu o massacre mais recente do país

Na quinta-feira, Chris Harper-Mercer atirou contra um professor e oito alunos da faculdade que frequentava no Oregon

O Estado de S. Paulo

06 Outubro 2015 | 11h52

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, viajará na próxima sexta-feira, dia 9, a Roseburg, cidade do Oregon onde na quinta-feira morreram dez pessoas, entre elas o autor dos disparos, no massacre mais recente do país.

A Casa Branca informou sobre a viagem do presidente, mas não especificou detalhes sobre sua agenda, e não confirmou se ele visitará a Faculdade Comunitária Umpqua, onde ocorreu a tragédia e onde estudava o autor do tiroteio, Chris Harper-Mercer.

O jovem de 26 anos, tinha sob sua posse até 14 armas de fogo. Na quinta-feira, ele invadiu o centro universitário pouco depois das 10h30 da manhã, equipado com até meia dúzia de armas, entre elas um fuzil de assalto, e matou um professor e oito alunos.

Poucas horas depois do ataque, Obama lamentou em um discurso extraordinário que os Estados Unidos transformaram "em rotina" os massacres por violência armada, e insistiu que "nenhum país avançado" assiste regularmente a episódios como o ocorrido no Oregon.

"De alguma maneira, isto se transformou em rotina, as informações são rotineiras, minhas reações aqui neste palanque são uma rotina, assim como as conversas posteriores", afirmou em uma dura e irônica declaração perante a imprensa na Casa Branca.

Obama ressaltou que as orações pelas vítimas "não são suficientes" e é necessário abordar o problema o mais rápido possível de um ponto de vista político para acabar com a violência armada no país.

Por sua parte, a pré-candidata democrata à presidência, Hillary Clinton, propôs hoje novas medidas para aumentar o controle sobre a aquisição de armas no país, entre elas permitir que as vítimas da violência armada processem os fabricantes de armas. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Oregon massacre Barack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.