1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Obama volta a Washington após visita oficial à Argentina

- Atualizado: 25 Março 2016 | 11h 38

Líder americano se reuniu com presidente argentino e prestou homenagens às vítimas da ditadura militar no país

BUENOS AIRES - O presidente americano Barack Obama partiu com sua família na madrugada desta sexta-feira, 25, de Buenos Aires rumo aos EUA, após dois dias de visita oficial à Argentina, que serviu para reiniciar as relações bilaterais entre os dois países.

O avião presidencial, Air Force One, decolou do Aeroporto Internacional de Ezeiza, nos arredores de Buenos Aires, à 0h12 desta sexta-feira.

Obama na Argentina
Pablo Martinez Monsivais/AP
Argentina

Presidente Barack Obama e a primeira-dama, Michelle, dançam tango com dançarinos profissionais em Buenos Aires

A decolagem aconteceu quase meia hora depois que Obama e sua família chegaram a Ezeiza após uma viagem à cidade de Bariloche, um dos destinos turísticos mais importantes da Patagônia argentina. Obama e sua família permaneceram durante cerca de sete horas na região, em caráter de visita privada.

O líder americano chegou à Argentina na quarta-feira, quando se reuniu com o presidente Mauricio Macri, que assumiu o Executivo argentino em dezembro de 2015 e que foi elogiado por Obama pelas políticas iniciadas nos primeiros 100 dias de governo.

Após a histórica visita a Cuba, Obama viajou ao território argentino junto com sua mulher, Michelle, suas filhas, Malia e Sasha, e sua sogra, Marian Robinson, além de uma grande comitiva oficial.

Na quarta-feira à noite, o presidente americano compareceu a um jantar de gala com Macri e sua mulher, Juliana Awada, no Centro Cultural do Bicentenário, onde dançou tango.

No dia seguinte, Obama visitou o Parque da Memória ao lado de Macri, em um passeio dedicado a homenagear as vítimas do regime militar argentino (1976-1983). Ele ainda anunciou que vai retirar o sigilo de documentos de seu país relacionados à ditadura para colaborar com o processo de justiça. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX