AP
AP

ONU alerta para 'enormes repercussões' da crise síria

Síria ocupa posição central numa teia de conflitos do Oriente Médio e tem uma explosiva mistura de religiões

REUTERS

21 Março 2012 | 09h14

AMÃ - O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta quarta-feira, 21, que a crise síria está cada vez mais alarmante e já teve "enormes repercussões" para o mundo, enquanto intensos combates eram travados em Damasco, a capital.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

"Não sabemos como os fatos vão se desenrolar. Mas sabemos que todos temos a responsabilidade de trabalhar por uma resolução para essa crise profunda e extremamente perigosa", disse Ban em discurso na Indonésia.

A Síria ocupa uma posição central numa teia de conflitos do Oriente Médio e tem uma explosiva mistura de religiões, seitas e etnias, levando diplomatas a temerem que a rebelião contra o governo de Bashar al-Assad, iniciada há um ano, se transforme em uma guerra civil plena.

As forças leais a Assad têm obtido vitórias contra os rebeldes nas últimas semanas, mas a violência não dá sinais de diminuir, e nesta quarta-feira surgiram relatos de várias ofensivas militares.

Ativistas de oposição dizem que o Exército voltou tanques, artilharia e baterias antiaéreas contra Harasta e Irbin, subúrbios de Damasco, que foram retomados dos rebeldes há dois meses, mas que nos últimos dias voltaram a registrar atividade insurgente.

O dia foi violento também em Homs, onde o Exército disparou 11 morteiros contra o bairro de Khalidiya, um dia depois de 14 pessoas morrerem em decorrência de disparos de morteiros na mesma área, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, grupo oposicionista com sede na Grã-Bretanha.

Os militares bombardearam também a cidade de Rastan, ao norte de Homs, e Qalat Mudiq, a noroeste de Hama, onde um blindado foi alvejado. Um soldado morreu nesse ataque, segundo ativistas.

Um vídeo mostrou o velho castelo de Apamea, em Qalat Mudiq, sendo bombardeado. Relatos vindos da Síria não podem ser verificados de forma independente devido às restrições do governo ao trabalho da imprensa e de grupos de direitos humanos. Apesar dos avanços no terreno, Assad parece cada vez mais isolado internacionalmente.

Na terça-feira, a aliada Rússia endureceu o tom, dizendo, por intermédio do seu chanceler, que Damasco "reagiu erradamente à primeira aparição de protestos pacíficos" e vem "cometendo muitíssimos erros".

Não ficou claro, porém, se as declarações de Sergei Lavrov vão se traduzir em ações tangíveis de Moscou para contribuir com o fim da crise síria. Até agora, a Rússia tem usado seu poder de veto no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas para impedir qualquer ação da comunidade internacional.

A ONU estima que mais de 8 mil pessoas já tenham morrido em um ano de repressão aos protestos. O governo diz que já perdeu 2 mil soldados e policiais por causa das ações de "grupos terroristas armados".

Mais conteúdo sobre:
Primavera Árabe ONU SIRIA ALERTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.