1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ONU analisa se Assange vive em prisão arbitrária

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 21h 27

Se parecer for favorável, Grã-Bretanha e Suécia terão de dar liberdade ao fundador do WikiLeaks

O jornalista e fundador da ONG WikiLeaks, Julian Assange, pode receber nesta semana um novo e determinante apoio internacional para lutar por sua liberdade. Refugiado na Embaixada do Equador em Londres há mais de 1,8 mil dias, por receio de ser preso pelas autoridades da Suécia e extraditado para os EUA, o australiano solicitou ao Grupo de Trabalho da ONU para Detenção Arbitrária um parecer sobre seu caso, que será conhecido na sexta-feira. Se o parecer for favorável, a Grã-Bretanha e a Suécia serão obrigados a lhe dar a liberdade.

Julian Assange e o chanceler do Equador, Ricardo Patiño, na embaixada de Londres

Julian Assange e o chanceler do Equador, Ricardo Patiño, na embaixada de Londres

A análise por parte do Grupo de Trabalho da ONU foi solicitada em setembro de 2014 pela defesa de Assange, que conta, por exemplo, com o juiz espanhol Baltasar Garzón, célebre por ordenar a prisão do ex-ditador do Chile, Augusto Pinochet, em Londres, em 1998. Desde então os juristas da ONU estudam duas situações: se o refúgio de Assange na embaixada do Equador configura uma detenção, e se essa detenção está de acordo com o direito internacional.

Assange é considerado suspeito pela Justiça da Suécia desde 2010, acusado de delitos sexuais por duas mulheres. O jornalista reconhece ter mantido relações sexuais com ambas, mas nega qualquer delito e diz ser vítima de uma conspiração internacional que teria como objetivo prendê-lo e facilitar sua extradição para os EUA, onde é acusado de espionagem por ter divulgado milhares de documentos secretos.

Em junho de 2012, Assange se refugiou na embaixada do Equador e solicitou asilo político ao país, o que lhe foi concedido. Mas o governo da Grã-Bretanha rejeita lhe conceder salvo-conduto para embarcar para Quito. Para os advogados de Assange, na prática o jornalista vive em prisão domiciliar arbitrária.

"Suas liberdades estão sendo restritas, a casa em que está é cercada pela polícia e ele não pode sair porque será preso. Isso é detenção. E é arbitrária porque ele nunca foi questionado ou acusado pela Justiça da Suécia", disse ao Estado a advogada australiana Melinda Taylor, que atua em Haia, na Holanda.

"Os governos da Grã-Bretanha e da Suécia foram ouvidos pelo órgão da ONU, houve uma investigação e, se o grupo de trabalho decidir que os direitos de Assange foram violados em relação à legislação internacional ou a tratados específicos, os governos terão obrigação de corrigir sua postura."

Para Christophe Marchand, advogado que representa Assange em Bruxelas, se a decisão for positiva para o jornalista a ONU dará ordem aos governo da Grã-Bretanha e da Suécia de libertá-lo de forma imediata. "Os governos terão a obrigação jurídica de libertá-lo. Não há margem de negociação ou interpretação", disse.

O Estado contatou o Grupo de Trabalho em Genebra, que não quis comentar sobre o peso jurídico da decisão, mas comentou que o parecer será de fato publicado na sexta-feira. Uma decisão precedente, entretanto, indica que Assange pode não sair já nessa semana. Em 2007, o órgão das Nações Unidas considerou arbitrária a prisão da dissidente Aung San Suu-kyi, e ordenou ao governo de Miamar que a libertasse. A ativista só foi solta em 2010.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX