REUTERS/Carlos Eduardo Ramirez
REUTERS/Carlos Eduardo Ramirez

ONU apoia decisão do governo de distribuir venezuelanos a outros Estados

Agência pede que maior numero de soldados brasileiros na fronteira não dificulte acesso de refugiados ao território nacional

Jamil Chade, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2018 | 13h14

GENEBRA – O Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) apoiou nesta quarta-feira, 14, a decisão do governo brasileiro de distribuir a outros Estados do País parte dos venezuelanos que estão em Roraima. Após elogiar as decisões do presidente Michel Temer, a agência pediu que a maior militarização da fronteira entre Brasil e Venezuela não dificulte o acesso de refugiados ao território nacional. 

+ Mais de 1 milhão de venezuelanos já deixaram o país, aponta relatório da ONU

Na segunda-feira, Temer prometeu dobrar o efetivo militar na fronteira de Roraima com a Venezuela, por onde chegam a maior parte dos refugiados vindos do Estado venezuelano de Bolívar.  Em Boa Vista, 40 mil venezuelanos vivem na cidade - o equivalente a 10% da população local. 

“Estamos dispostos a trabalhar com as autoridades brasileiras nesse aspecto, acreditando firmemente que essa medida vai reduzir o impacto do aumento de fluxo de venezuelanos nas comunidades locais que os recebem”, afirmou o Acnur, em comentários enviado ao Estado

"Reconhecemos que todos os Estados tem o direito de controlar sua fronteira, notando como é vital que mecanismos de controle de fronteira sejam sensíveis às necessidade das pessoas que procuram proteção”, acrescentou a Acnur sobre o envio inicial de mais 100 soldados para as regiões de fronteira, além dos 100 que já operam no local. “Nesse caso, saudamos as garantias dadas pelo presidente do Brasil de que as fronteiras entre o Brasil e a Venezuela continuarão abertas e que esperamos que o deslocamento de forças militares apenas contribua com um fluxo mais ordenado, e não prevenindo acesso ao território e ao asilo aqueles que precisam de proteção."

A Acnur ainda saudou as diferentes medidas anunciadas para facilitar o acesso à saúde e educação, em especial o fortalecimento da presença do Conare (Conselho Nacional de Refugiados) em Boa Vista. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.