1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ONU e União Europeia condenam ataques a hospitais e escolas na Síria

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 09h 18

Secretário-geral da ONU disse estar ‘profundamente preocupado com os relatórios sobre os bombardeios e qualificou as ações como uma ‘descarada violação das leis internacionais’

NAÇÕES UNIDAS - A ONU e a União Europeia condenaram na segunda-feira o ataque com mísseis contra pelo menos cinco edifícios médicos - sendo um deles um hospital apoiado pela organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) - e duas escolas na Síria, que deixou cerca de 50 mortos, incluindo crianças.

Por meio de um de seus porta-vozes, Farhan Haq, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse estar "profundamente preocupado" com os relatórios sobre os ataques, que qualificou como uma "descarada violação das leis internacionais".

Pessoas observam prédio da Médicos Sem Fronteiras destruído por bombardeios na Sìria

Pessoas observam prédio da Médicos Sem Fronteiras destruído por bombardeios na Sìria

As ações, segundo informou na entrevista coletiva diária o porta-voz da ONU, ocorreram nas províncias de Alepo e Idlib. Haq destacou que o número de vítimas procedia de distintas fontes, inclusive a Unicef.

Embora tenha ressaltado não ter informação adicional sobre quem está por trás dos ataques, ativistas sírios e ONGs responsabilizaram a aviação russa e as forças do governo sírio, presidido por Bashar Assad.

"Esses ataques são uma violação flagrante das leis internacionais", acrescentou Haq. "Estes incidentes lançam uma sombra sobre os compromissos assumidos na reunião do ISSG (Grupo Internacional de Apoio à Síria) em Munique, em 11 de fevereiro."

Segundo o porta-voz da ONU, estes ataques têm graves consequências para o sistema médico e educativo da Síria, que já vem sofrendo o desgaste pelo conflito bélico que explodiu no país em 2011.

Além disso, estas ações "obscurecem" os resultados da reunião sobre o processo de paz na Síria alcançados no dia 11 de fevereiro em Munique, acrescentou o porta-voz.

Turquia

O governo da Turquia acusou a Rússia de cometer "crimes de guerra" com seus bombardeios contra hospitais na Síria, informou nesta terça-feira, 16, a imprensa local. O Ministério das Relações Exteriores turco qualificou os ataques de "um crime de guerra segundo as leis internacionais".

"A Federação Russa está aprofundando a guerra civil na Síria e acelerando a tensão na região com esses crimes que está cometendo. Se a Federação Russa não deter imediatamente essas ações e os ataques que afastam mais a Síria da paz e da estabilidade, será inevitável enfrentar consequências maiores e graves", advertiu o Ministério turco.

Nesta terça-feira, o Kremlin negou que a aviação russa tenha bomberdeado o hospital apoiado pela MSF, e apontou a coalizão internacional liderada pelos EUA como responsável pelo ataque. /EFE, REUTERS e AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX