ONU pede cessar-fogo na Síria para entrega de ajuda

Tropas do regime sírio e rebeldes entraram em confronto novamente nesta quinta-feira na Síria, enquanto o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, afirmou que o Conselho de Segurança enviou uma clara mensagem a Damasco de que a violência precisa ser interrompida imediatamente para permitir a entrega de ajuda humanitária.

AE, Agência Estado

22 Março 2012 | 10h23

Ativistas disseram que forças sírias combatiam rebeldes na província de Deraa, nas proximidades de Damasco, e na cidade de Hama, região central do país, onde o Exército bombardeia um bairro rebelde.

O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos informou que dez pessoas, dentre elas mulheres e crianças, foram mortas nesta quinta-feira quando fugiam da província de Iblib, noroeste do país, a bordo de um ônibus que seguia para a Turquia.

Rami Abdel Rahman, presidente do grupo, disse que o motorista do ônibus foi morto juntamente com nove pessoas, pertencentes a duas famílias distintas, quando o veículo ficou sob tiroteio. Segundo ele, os assassinatos ocorreram perto da cidade de Sermin, ao longo de uma estrada que liga a província de Idlib ao norte da Turquia.

Falando a jornalistas na Malásia, Ban disse que deve haver um cessar-fogo para que ajuda humanitária possa ser enviada aos sírios. Ban afirmou nesta quinta-feira que "ninguém está discutindo operações militares" para resolver a crise, mas afirmou que a Cruz Vermelha propôs uma interrupção de algumas horas nos confrontos, diariamente, para a entrega de ajuda.

O Conselho de Segurança da ONU enviou uma mensagem unificada ao governo e à oposição sírios na quarta-feira, para que implementem imediatamente as propostas do enviado internacional Kofi Annan, que têm como objetivo encerrar o derramamento de sangue no país. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Síria violência Ban Ki-moon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.