ONU vai avaliar políticas pró-pobre

O Centro Internacional de Pobreza do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) está desenvolvendo uma metodologia para determinar em que medida as políticas sociais são pró-pobres, ou seja, beneficiam a camada mais pobre da população. Segundo Nanak Kakwani, diretor do Centro, a metodologia vai ajudar o governo a implementar medidas que realmente ajudam os pobres. ?Grande parte das políticas governamentais não é pró-pobres?, diz Kakwani. O seguro desemprego, por exemplo, ajuda principalmente os trabalhadores do setor formal, que não são os mais pobres. A metodologia está ligada ao debate sobre a focalização dos gastos sociais. Como os recursos são limitados, alguns economistas defendem que o governo deveria ?focalizar? os gastos sociais com os mais pobres e deixar de gastar com os menos pobres. ?Nós não precisamos de novas medidas para distribuir renda, só precisamos usar de forma mais eficiente as políticas sociais que já existem?, diz Ricardo Paes de Barros, economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo ele, os programas que existem devem ser direcionados para os mais pobres. ?A desigualdade está estagnada há 20 anos e isso demonstra que a política social tem sido ineficaz?.

Agencia Estado,

17 Outubro 2004 | 11h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.