Oposição critica plano econômico de chavistaPACOTE

A oposição e economistas de consultorias privadas criticaram ontem o pacote econômico anunciado na noite de terça-feira pelo presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, a pouco mais de um mês das eleições legislativas no país. Entre as medidas estão o aumento do salário dos funcionários públicos e do soldo das Forças Armadas em 30%, um novo aumento do salário mínimo e novos mecanismo para garantir a aplicação da lei de preço justo.

CARACAS, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2015 | 02h01

Analistas acreditam que o pacote faz parte da estratégia chavista de tentar mitigar os efeitos da crise entre a população mais pobre e o funcionalismo - base de seu eleitorado -, de olho nas eleições. Pesquisas de opinião indicam que a popularidade de Maduro está perto da mínima histórica e o desempenho da Mesa de Unidade Democrática (MUD) poderia surpreender nas urnas em 6 de dezembro.

"Hoje, Nicolás demonstrou mais uma vez sua incapacidade em resolver o caos que ele mesmo criou no governo", criticou o líder da oposição e governador de Miranda, Henrique Capriles. "Mais uma vez, ele anunciou que não sabe o que anunciar para corrigir a economia."

O secretário executivo da MUD, Jesús "Chuo" Torrealba, disse que, com um novo limite de preços e lucro para os produtores privados, Maduro está estrangulando a produção de alimentos no país e comparou o líder chavista ao presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, que levou o país africano a um processo hiperinflacionário.

"Dezessete anos de controle burocrático dos preços acabaram com a economia nacional. Agora, Mugabe, quero dizer, Maduro, anuncia o hipercontrole", ironizou Torrealba. "O discurso de ontem não foi para o país, mas para seu grupinho que ainda acredita em suas mentiras. Temos um governo que destruiu a economia nacional e imprime bilhetes como solução."

Controle. O anúncio de Maduro foi feito em seu programa de TV, En Contacto con Maduro, transmitido pela estatal VTV. O novo salário mínimo será de 9.649 bolívares - antes era de 7.422 bolívares -, já a partir de 1.º de novembro - cerca de US$ 1.500 pelo câmbio oficial ou US$ 24,8, de acordo com a cotação do dia no câmbio paralelo.

O presidente prometeu ainda alterar os mecanismos de cálculo do preço justo e criar duas categorias para proteger os cidadãos. Maduro disse que a lei fixa um lucro de 30% para os comerciantes.

Críticas. Analistas de consultorias privadas criticaram as medidas. "A única solução estável para resolver a inflação e a escassez é estimular o investimento, a produção e a oferta de bens. Todo o resto não funcionará. O controle cria mais distorções, você tenta controlar mais e cria um círculo vicioso", disse Luis Vicente León, do instituto Datanálisis. "É do interesse do governo melhorar a imagem negativa provocada pela crise, possivelmente tentem melhorar a distribuição de alimentos nas próximas semanas de olho nas eleições."

Para o economista Luis Oliveros, os efeitos negativos dos anúncios de Maduro serão conhecidos depois da eleição. "A escassez deve se agravar a partir de dezembro", disse.

Na madrugada de ontem, o ministro de Economia, Finanças e Bancos Públicos da Venezuela, Rodolfo Marco Torres, apresentou para a Assembleia Nacional os projetos de lei de orçamento e de endividamento público para 2016.

Os textos não demonstram, porém, variáveis macroeconômicas necessárias para o calculo de receitas e despesas, como a previsão de inflação e a variação do Produto Interno Bruto (PIB). O orçamento trabalha com um barril de petróleo cotado a US$ 40, valor que coincide com o praticado atualmente. Nos últimos anos, o governo estimava para cima o preço do barril. / AFP

Salários

Maduro aumentou pela quarta vez no ano o salário mínimo e os vencimentos de militares e outros funcionários públicos

Lucros

O governo limitou em 30% a margem de lucro permitida para negociação de produtos e serviços em todo o país. A decisão é similar à que deu origem ao "Dakazo", quando lojas da rede Daka foram ocupadas por tropas para que baixassem preços, em 2013

Controle de preços

Maduro anunciou, mas não detalhou, um "novo mecanismo" para a Lei de Preços Justos, que define tabelamentos e outros pontos relativos à venda de produtos considerados essenciais. O tabelamento tem causado escassez nas prateleiras e alimenta um amplo mercado paralelo

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.