AFP PHOTO / CARLOS BECERRA
AFP PHOTO / CARLOS BECERRA

Oposição faz plebiscito simbólico na Venezuela 

Em tentativa de deslegitimar plano chavista de mudança constitucional, que irá a voto no dia 30, oposição promove hoje consulta popular paralela

O Estado de S.Paulo

16 Julho 2017 | 05h00

CARACAS - A oposição venezuelana tentará hoje mobilizar sua militância em um plebiscito simbólico contra o plano do presidente Nicolás Maduro de aprovar uma Assembleia Constituinte em duas semanas.

O governo, em campanha para a eleição dos 545 constituintes, promove a votação como a única saída para a convulsão política e social. A opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) considera a iniciativa uma “fraude” com a qual o governo tenta se perpetuar no poder, após 18 anos de chavismo.

Sem o aval do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), acusado de servir ao governo, a MUD celebrará a consulta popular confiante de que milhões rejeitarão a Constituinte. O objetivo é conseguir uma participação expressiva hoje e trabalhar por um boicote à votação convocada pelo governo para o dia 30. Cinco ex-presidentes de países latino-americanos acompanharão a consulta de hoje.

Uma das vozes mais fortes contra o plebiscito do governo é a da procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, chavista dissidente que o governo pretende afastar do cargo. Ontem ela respondeu à última tentativa de intimidá-la – na sexta-feira, o Tribunal Supremo de Justiça aprovou a submissão dela amanhã a um detector de mentiras. 

“Não tenho problema em submeter-me ao polígrafo, mas não posso fazê-lo se essa prova é pedida por um tribunal ilegítimo, cujo poder não reconheço”. Ela classificou a iniciativa como “violação aos direitos humanos”. O governo pretende provar que Ortega mentiu ao afirmar que não deu aval à seleção de magistrados da corte. / AFP 

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Plebiscito

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.