1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Os EUA não serão intimidados pelo Estado Islâmico, diz Obama

O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2014 | 11h 19

Presidente americano afirma que consultará aliados na Otan para determinar estratégia de combate ao grupo extremista

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou nesta quarta-feira, 3, que o país não será intimidado pelos militantes do Estado Islâmico (EI) e criará uma coalizão para "degradar e destruir" o grupo. A declaração ocorreu depois de os EUA confirmarem que o vídeo divulgado pelo EI que mostra a decapitação do jornalista americano Steven Sotloff é autêntico.

Obama ainda não estabeleceu um prazo para determinar uma estratégia para combater os jihadistas do EI na Síria, mas disse que é preciso ter certeza de que funcionará. "É muito importante do meu ponto de vista que quando enviarmos nossos pilotos para um trabalho, que saibamos que a missão dará certo, termos claro quais são nossos objetivos e nossos alvos", afirmou o presidente durante uma visita pela Europa.

Há duas semanas, outro jornalista americano, James Foley, havia sido morto pelo EI e sua decapitação também foi anunciada pelo grupo em um vídeo. Obama prometeu que os EUA não esquecerão "o terrível crime contra esses dois jovens."

"Nós não seremos intimidados. Os atos terroristas deles apenas nos unem como país e reforçam nossa decisão de lutar contra esses terroristas. Aqueles que cometerem o erro de prejudicar americanos aprenderão que nós não esquecemos e a justiça será feita", afirmou o presidente americano.

No vídeo da decapitação de Sotloff, um homem mascarado adverte Obama que enquanto os bombardeios americanos contra o EI continuarem, as execuções também continuarão. "Nossas facas continuarão a atingir os pescoços do seu povo."

O presidente reforçou que os bombardeios foram eficazes e disse que continuará a combater a "visão bárbara e vazia" que o EI representa. Obama acrescentou que fará uma consulta aos aliados de Washington na Otan até o fim da semana para definir uma estratégia de combate aos jihadistas e outros grupos extremistas.

"Nosso objetivo é limpar, e isso significa degradar e destruir o Isil para que ele não seja mais uma ameaça, não apenas no Iraque, mas em toda a região e para os EUA", finalizou o presidente. / AP

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo