Jack Manning/The New York Times
Jack Manning/The New York Times

Principais momentos da Revolução Cubana

Líder do movimento morreu na noite de sexta-feira, aos 90 anos; anúncio foi feito por Raúl Castro

O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2016 | 18h53

Sob a liderança de Fidel Castro, a Revolução Cubana chegou ao poder no dia 1º. de janeiro de 1959, ao derrubar de forma armada o ditador Fulgencio Batista. O líder morreu na noite de sexta-feira, aos 90 anos. O anúncio da morte foi feito pelo seu irmão, o presidente de Cuba, Raúl Castro, na emissora de televisão estatal.

Veja abaixo os momentos mais marcantes da Revolução Cubana.

26 de julho de 1953

Fidel lidera o assalto aos quartéis Moncada, em Santiago de Cuba, e Carlos Manuel de Céspedes, em Bayamo, com pouco mais de uma centena de rebeldes contra Batista. A ação armada fracassa, mas é considerada o estopim que deu origem à Revolução. Cerca de 70 combatentes morrem. Fidel é capturado, julgado e encarcerado, sendo anistiado e solto em maio de 1955.

2 de dezembro de 1956

O navio Granma desembarca no sudeste de Cuba, após zarpar do México com Fidel Castro a bordo. Sob seu comando estavam 81 homens, incluindo seu irmão Raúl e o argentino Ernesto “Che” Guevara. Começa a luta na Sierra Maestra com um pequeno grupo, que sobrevive ao ataque do exército de Batista.

1º. de janeiro de 1959

Após a queda de Batista, triunfa a Revolução. Fidel e seus guerrilheiros descem a Sierra Maestra a caminho de Santiago de Cuba, e sete dias depois entram vitoriosos em Havana.

17-19 de abril de 1971

Cerca de 1,4 mil soldados, apoiados pela CIA, desembarcam na Baía dos Porcos, a 200 km de Havana, e são derrotados pelos revolucionários após 72 horas de combates. Cuba proclama "a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina".

22-28 de outubro de 1962

O mundo se vê à beira de uma guerra nuclear quando a União Soviética instala em Cuba mísseis nucleares direcionados para os EUA. O então presidente americano, John F. Kennedy, ordena um bloqueio naval contra a ilha, e após delicadas negociações, o primeiro-ministro soviético Nikita Kruchev cede e retira os mísseis. Washington se compromete a retirar seus mísseis da Turquia e a não invadir Cuba.

1991

Cuba entra em uma profunda crise econômica, chamada de "período especial" pelo governo, após a derrocada do bloco socialista e a desintegração da União Soviética, seu principal pilar de sustentação econômica durante três décadas.

31 de julho de 2006

Fidel Castro sucumbe a uma grave doença, decidindo ceder o poder a Raúl em caráter provisório.

19 de fevereiro de 2008

Fidel renuncia à reeleição presidencial. Cinco dias depois, Raúl assume formalmente a presidência.

19 de abril de 2011

Fidel renuncia ao cargo de primeiro secretário do Partido Comunista.

28 de março de 2012

Fidel se reúne com o papa Bento XVI na Nunciatura em Havana.

17 de dezembro de 2014

Raúl e o presidente americano Barack Obama surpreendem o mundo ao colocar um fim ao meio século de inimizade entre Cuba e EUA. Fidel declara, em 26 de janeiro de 2015, que, apesar de continuar desconfiando de Washington, não se opõe à aproximação.

20 de julho de 2015

Cuba e EUA restabelecem relações diplomáticas.

25 de novembro de 2016

Morre, aos 90 anos, Fidel Castro, considerado o pai de revolução.

/ AFP

Mais conteúdo sobre:
Cuba Fidel Castro Revolução

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.