AP Photo/Oded Balilty
AP Photo/Oded Balilty

Palestino ataca israelenses com chave de fenda e é morto

O ataque acontece horas após outro similar ocorrido em Jerusalém Oriental, no qual um estudante de um seminário rabínico ficou gravemente ferido ao ser esfaqueado por um palestino

O Estado de S. Paulo

08 Outubro 2015 | 17h01

JERUSALÉM - Pelo menos três pessoas, entre elas uma soldado israelense, ficaram feridas nesta quinta-feira, 8, ao serem atacadas com uma chave de fenda por um palestino que morreu após ser contido a tiros por outro militar em Tel-Aviv, informou a polícia. 

O ataque aconteceu nas imediações da sede do Ministério da Defesa de Israel. A área foi isolada pouco depois perante o temor de que houvesse algum cúmplice do suspeito. 

O agressor, segundo o Canal 2 da televisão local, chegou com a chave de fenda a um local perto do Ministério da Defesa onde atacou a soldado que ficou levemente ferida.

Em seguida, deixou essa área e agrediu outras duas pessoas, que também ficaram com ferimentos leves, segundo a Estrela de Davi Vermelha (equivalente à Cruz Vermelha), antes de fugir e ser abatido por um soldado israelense. Não foi confirmada a identidade do autor do ataque.

O ataque acontece horas após outro similar ocorrido em Jerusalém Oriental, no qual um estudante de um seminário rabínico ficou gravemente ferido ao ser esfaqueado por um palestino que, por sua vez, foi ferido e detido por forças de segurança no mesmo lugar. No dia anterior, autoridades registraram ao menos outros cinco incidentes violentos. 

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou hoje que seu país enfrenta uma “onda de terrorismo” e prometeu atuar “com determinação” para contê-la. Israel voltou a proibir a entrada à Esplanada das Mesquitas (Monte do Templo para os judeus) aos palestinos com menos de 50 anos para as orações muçulmanas de hoje. “Trata-se de ações não organizadas, mas causadas pela incitação ao ódio do Hamas, da Autoridade Palestina, vários países vizinhos, o Movimento Islâmico em Israel”, disse.  

Ainda hoje, a porta-voz da Polícia Luba Samri afirmou à agência de notícias EFE que a policia de Israel está recomendando aos cidadãos do país que possuem porte que saiam com suas armas às ruas para colaborar com a segurança pública. 

“Trata-se de uma recomendação, não de uma ordem”, confirmou Luba depois que alguns comandantes da polícia e políticos fizeram esse pedido em público. Fontes policiais consideram que a colaboração dos cidadãos frente ao que chamam de “lobos solitários”, em alusão aos ataques individuais de palestinos, é imprescindível, já que não são ações possíveis de serem prevenidas com informação de inteligência. / EFE e AFP

Vídeo: Agentes infiltrados de Israel atacam palestinos

Mais conteúdo sobre:
Israel palestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.