Joshua Lott/The New York Times
Joshua Lott/The New York Times

Palestra de Obama por US$ 400 mil vira polêmica nos EUA

O convite foi feito há um tempo pelo banco de investimentos Cantor Fitzgerald e a palestra, de acordo com a mídia, ocorrerá em setembro

O Estado de S. Paulo

27 Abril 2017 | 21h08

WASHINGTON - Há menos de 100 dias de ter deixado oficialmente a presidência dos Estados Unidos, o ex-mandatário Barack Obama aparece no centro de uma polêmica. Segundo a imprensa americana, o ex-chefe de Estado teria aceitado dar uma palestra em um banco no país por nada menos que US$ 400 mil.       

O convite foi feito há um tempo pelo banco de investimentos Cantor Fitzgerald e a palestra, de acordo com a mídia, ocorrerá em setembro.       

A polêmica sobre a notícia se formou principalmente por dois motivos: pelo alto preço e pela suposta aversão de Obama em "ajudar um bando de gatos gordos dos bancos de Wall Steet", em suas palavras. Nos Estados Unidos, assim como em outros países do mundo, é comum que importantes políticos deem palestras a organizações e a instituições financeiras, no entanto, o valor costuma a ser mais baixo. 

A ex-secretária de Estado americana e ex-candidata democrata às eleições presidenciais de 2016, Hillary Clinton, por exemplo, deu três palestras ao banco Goldman Sachs em 2015 e cobrou US$ 225 mil por todas elas, um pouco mais da metade do que o ex-mandatário irá ganhar em apenas um evento. 

Além disso, Obama disse publicamente mais de uma vez que não daria palestras como Hillary havia dado, ao menos não da mesma forma. Durante seus dois mandatos, o ex-presidente trocou faíscas com o setor financeiro do país por acreditar que Wall Street foi uma das culpadas na grande crise econômica de 2008. 

Para completar, desde que deixou a Casa Branca, o ex-líder americano tem curtido férias luxuosas com sua família, andando de kitesurfe com o milionário Richard Branson no Caribe, passeando em um iate com Michelle na Polinésia Francesa e participando de jantares com grandes estrelas, como com Bono Vox, vocalista do U2./ Ansa

 

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Barack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.