1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Papa pede proibição mundial à pena de morte

- Atualizado: 21 Fevereiro 2016 | 13h 40

O líder religioso afirmou que o mandamento 'não matarás' é válido tanto para os culpados quanto para os inocentes

O líder religioso afirmou que o mandamento 'não matarás' é válido tanto para os culpados quanto para os inocentes.

O líder religioso afirmou que o mandamento 'não matarás' é válido tanto para os culpados quanto para os inocentes.

O papa Francisco pediu neste domingo, 21, que a pena de morte seja proibida mundialmente. O líder religioso afirmou que o mandamento "não matarás" é válido tanto para os culpados quanto para os inocentes.

Falando a milhares de pessoas reunidas na praça São Pedro, o papa também pediu para os católicos trabalharem para a interrupção de qualquer execução durante o jubileu da misericórdia, que se encerra em novembro. Na segunda-feira, 22, acontecerá em Roma a conferência internacional “Por um mundo sem pena de morte”, promovida pela Comunidade de Santo Egídio.

Francisco destacou que a opinião pública tem, gradativamente, se oposto à pena de morte. Para ele, as sociedades modernas têm a capacidade de lidar com o crime sem excluir do criminoso uma ‘chance’ de se redimir.

"Um problema deve ser visto no contexto de um sistema de justiça penal cada vez mais em linha com a dignidade humana e ao plano de Deus para o homem e a sociedade. O mandamento "não matarás" tem um valor absoluto e abrange tanto os inocentes como o culpado", declarou.

Em seu discruso, o papa apelou aos governantes - em particular, aos católicos - para um consenso internacional sobre a abolição da pena de morte.  

"Mesmo o criminoso mantém o direito inviolável à vida, dom de Deus. Faço um apelo à consciência dos governantes, de modo que se possa alcançar um consenso internacional para a abolição da pena de morte. E proponho àqueles que de entre esses sejam católicos a cumprirem um gesto corajoso e exemplar: que nenhuma sentença seja executada neste Ano Santo da Misericórdia."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX