Paquistão autoriza EUA a usar dois aeroportos

O Paquistão informou, nesta quinta-feira, ter autorizado as forças dos EUA a usarem dois aeroportos na campanha contra os talebans e Osama bin Laden e confirmou que militares americanos já estão no país. Mas porta-vozes do governo insistiram em que "forças de combate" não entraram no Paquistão e não será permitido o uso do território como base para bombardeios no vizinho Afeganistão. Ao mesmo tempo, o presidente Pervez Musharraf anunciou nesta quinta um regime de "tolerância zero" em relação a manifestações violentas de fundamentalistas islâmicos e à deportação de refugiados afegãos que se envolverem nos protestos. Quando indagado sobre se militares americanos já estavam no território nacional, o porta-voz de Musharraf - que encabeça um regime militar -, general Rashid Qureshi, respondeu à agência Reuters: "Não acho que elas sejam forças de combate." Numa entrevista posterior dada à emissora de TV da Reuters, Qureshi não quis entrar em detalhe sobre o apoio que o Paquistão está dando aos Estados Unidos. "Contudo, posso dizer que não há ofensivas que tenham sido lançadas ou estejam sendo lançadas do Paquistão contra o Afeganistão". Em declaração à emissora de TV BBC, o ministro do Interior, Moinuddin Haider, afirmou que os dois aeroportos - não especificados - só poderão ser usados em missões de recuperação de cadáveres ou resgate de pessoal, se for necessário. "Eles só estão utilizando nosso espaço aéreo. Não há nenhum soldado americano em nosso solo até o momento", garantiu Haider. Depois dos intensos bombardeios de quarta-feira no Afeganistão, a imprensa paquistanesa informou que os EUA haviam desembarcado tropas e armamento no Paquistão para adentrarem o território afegão. Segundo jornais locais, fuzileiros navais, aviões, helicópteros e outros equipamentos militares chegaram a Jacobabad, na sulista Província de Sindh, e na cidade costeira de Pasni, na Província do Baluchistão. Isso levou vários grupos radicais islâmicos a convocarem protestos para contra a presença dos americanos no país. O governo russo negou nesta quinta que tenha enviado tropas ao Afeganistão em apoio à ofensiva anglo-americana. Na quarta-feira o diário britânico The Times informou que unidades de artilharia que estavam estacionadas no Tadjiquistão haviam entrado no território afegão, em apoio à oposicionista Aliança do Norte. Leia o especial

Agencia Estado,

11 Outubro 2001 | 21h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.