1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para Capriles, ação do governo enterrou diálogo com oposição

Líder da oposição afirma que Executivo premeditou decisão que leva ao fracasso das negociações de paz para buscar fim da crise

CARACAS - O governador do Estado de Miranda e um dos principais nomes da oposição venezuelana, Henrique Capriles Radonski, declarou na quinta-feira, 5, que a decisão de levar Leopoldo López a julgamento “estava pronta” pelo governo que, com suas ações, enterrou o diálogo pelo fim da crise política no país. 

“O que vimos ontem e o país deve refletir é que temos um parapeito de Justiça podre”, criticou Capriles em entrevista ao jornal El Universal, antes de participar de um evento público em Baruta. 

Segundo o governador, que disputou as últimas eleições presidenciais com Nicolás Maduro como representante único da coalizão Mesa de Unidade Democrática (MUD), o diálogo pelo fim da crise nunca passou de um “debate em cadeia nacional de rádio e televisão”. 

“O diálogo era para que houvesse resultados. Foram feitos pedidos concretos: que ninguém ficasse preso por razões políticas e falamos do desarmamento de grupos paramilitares armados pelo governo. Mas nada disso ocorreu”, ponderou. 

“Eles (governo) são os que enterraram o diálogo. Isso já não é responsabilidade daqueles que querem mudança, mas sim do governo. Foi Nicolás Maduro que deu sepultura ao diálogo que, na minha opinião, nunca nasceu.” 

Miranda criticou o Poder Judiciário por ter mandado um líder político para prisão para aguardar o julgamento, enquanto no país há casos de homicídios, delitos e casos de corrupção em que os autores continuam livres pelas ruas. 

“Essa situação de injustiça tem de unir os venezuelanos, porque o país que a maioria quer não usa a Justiça para perseguir ninguém”, declarou ao El Universal.