1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para Obama, Macri devolve à Argentina papel de líder regional

- Atualizado: 23 Março 2016 | 16h 04

Presidente americano se disse impressionado com a política econômica e externa implementada pelo argentino 'em apenas 100 dias'

Após 12 anos de má relação entre EUA e Argentina, o presidente americano, Barack Obama, selou nesta quarta-feira, 23, na Casa Rosada mais do que uma reaproximação protocolar. Ele se disse impressionado com a política econômica e externa implementada pelo argentino Mauricio Macri "em apenas 100 dias" e o alçou a exemplo de líder para a região e o mundo. 

Eleito por uma coalizão de centro-direita, o argentino assumiu o poder em 10 de dezembro, eliminou a maior parte dos impostos a exportações, reduziu travas a importações e aliviou rígido controle cambial do kirchnerismo. Como consequência, enfrenta uma inflação em alta (4,3% em fevereiro, 32% nos últimos 12 meses). 

Os presidentes Barack Obama e Mauricio Macri conversam nos corredores da Casa Rosada, em Buenos Aires 

Os presidentes Barack Obama e Mauricio Macri conversam nos corredores da Casa Rosada, em Buenos Aires 

Nas relações exteriores, Macri colocou a Venezuela como alvo, exigindo a libertação de presos políticos opositores. A duas linhas de atuação em consonância com o que Washington espera da região fizeram Obama "encaixar" a visita a Buenos Aires depois de sua viagem a Cuba, em um gesto explícito de apoio.

"Fico triste que só teremos 9 meses de governo simultâneo. Eu estou deixando o meu mandato e Macri está começando o dele. Argentina está retomando seu papel de líder na região e no mundo", afirmou o americano, depois de ser chamado de "inspiração" pelo colega Argentino. Ambos fecharam acordos na área de combate ao narcotráfico, energia limpa e segurança. 

Argentina à espera de Obama
REUTERS/Marcos Brindicci
Argentina à espera de Obama

Manifestantes tocam trombones diante do Banco Central Argentina em protesto contra demissão de servidores identificados com o kichnerismo

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX