Reuters
Reuters

Para rivais, Maduro nasceu na Colômbia

Opositores exigem certidão de nascimento, mas presidente apresenta documento suspeito

Cristiano Dias, Enviado Especial / Caracas, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2017 | 05h00
Atualizado 06 Abril 2017 | 09h20

“Maduro é um colombiano de m..." Este é um dos insultos ao presidente da Venezuela mais comuns e publicáveis que se escuta pelas ruas de Caracas. O problema do xingamento nem é tanto a segunda parte, já que hoje a maioria dos líderes latino-americanos não provoca suspiros de ninguém. O que causa estranheza é a suspeita de que bigodudo que ocupa o Palácio de Miraflores tenha nascido no país vizinho.

A trama parece familiar. Em março de 2011, o magnata Donald Trump praticamente lançou sua carreira política insinuando que o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não nasceu no Havaí. A boataria alimentou teorias conspiratórias ultraconservadoras, mesmo após Obama divulgar sua certidão de nascimento, alguns meses depois.

À primeira vista, o caso do presidente venezuelano parece seguir o mesmo enredo, embora ninguém descarte nada no país mais kafkiano do continente. Diferentemente de Obama, Maduro não tem certidão de nascimento. Em 2013, a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, durante uma entrevista na TV, garantiu que o presidente era venezuelano, mas mostrou um documento escrito à mão que nem sequer mencionava Maduro.

Em abril do ano passado, Lucena mudou a história e admitiu que Maduro nunca apresentou o registro de nascimento porque não era uma "exigência da lei eleitoral" venezuelana. Alguns meses depois, tentando acabar com os rumores, o CNE divulgou uma cópia da carteira de identidade do presidente que trazia como local de nascimento o bairro pobre de La Candelaria, em Caracas. O documento, porém, tinha um número de série quase igual ao de sua irmã mais velha - na verdade era um algarismo maior -, o que é extremamente raro na Venezuela e levantou suspeitas de que o registro tivesse sido feito recentemente. 

A história fica ainda mais estranha quando contada por quem já mergulhou fundo no tema -- a certidão de nascimento de Maduro tornou-se uma espécie de Santo Graal do jornalismo investigativo venezuelano. Aqueles que já foram até La Candelaria nunca encontraram amigos de infância do presidente. Já em Cúcuta, cidade colombiana na fronteira com a Venezuela, onde nasceu a mãe de Maduro, há vários que juram que ele era o Nicolás, filho de Teresa Moros, que jogava bola com os amigos nas ruas de terra do bairro de El Callejón.

Por hora, a discussão não tem fim e a única certeza é que a certidão de nascimento de Maduro é a parte mais esquisita da coletânea de confrontos entre governo e oposição. Para o povaréu, no entanto, que não se cansa de disparar contra o presidente e fazer piada com o país vizinho, é sempre melhor culpar um colombiano pela crise da Venezuela.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.