Eliseo Fernandez|Reuters
Eliseo Fernandez|Reuters

Paraguai vende sua capacidade de se adaptar

Segundo presidente do Banco Central, em vez de exportar a soja, o país passou a processar o grão e a exportar o óleo

Renata Tranches, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2016 | 05h00

Ao explicar porque o Paraguai mantém uma situação econômica mais favorável que a dos vizinhos em um momento de recessão, o presidente do Banco Central paraguaio, Carlos Fernandez Valdovinos, não hesita: a capacidade do país em se adaptar aos novos tempos.

Segundo ele, a economia paraguaia sofreu dois choques importantes: as quedas do comércio de fronteira e do preço das commodities. A crise econômica na região, principalmente no Brasil, afetou o comércio de fronteira, especialmente em Ciudad del Leste, causando baixas na arrecadação do país. Além disso, o preço da soja caiu em 40% com a desvalorização de matérias-primas.

A saída foi encontrar outros motores de crescimento, como a própria indústria. Segundo Valdovinos, em vez de só exportar os grãos, o país passou a processar a soja e exportar óleo. “Hoje, 50% da soja que está saindo é produto industrializado”, afirmou, acrescentando que o mesmo processo aconteceu com a carne exportada.

Contribuem também, segundo ele, o investimento no setor de construção e de serviços. “Criou-se uma classe média que puxou uma demanda de serviços”, defende o presidente do BC paraguaio. “Tudo isso compensou e está permitindo ao Paraguai crescer 3% no pior cenário nos últimos 15 anos para os países emergentes.”

Mais conteúdo sobre:
Mercosul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.