Parlamentares egípcios escolhem assembleia constituinte

O novo Parlamento egípcio, dominado por grupos islâmicos, votou neste sábado para escolher os integrantes de uma assembleia constituinte. No entanto, os liberais e os políticos de esquerda não participaram da votação, alegando que a diversidade do país não estava sendo respeitada no processo.

REUTERS

24 Março 2012 | 18h19

A nova Constituição pode determinar que setor do Estado irá governar de fato o país, depois de décadas do governo autocrático de Hosni Mubarak, que caiu devido à revolta popular de um ano atrás.

A Constituição definirá o equilíbrio entre poderes, o papel do islamismo e dos militares.

Num comunicado, o partido da Irmandade Muçulmana disse que defende "incluir todas as correntes políticas e ideológicas na assembleia, entre eles setores como jovens, mulheres e cristãos".

Grupos minoritários, contudo, dizem que a maioria islâmica está manobrando para eliminar outras correntes políticas da assembléia constitucional.

A lista dos nomes dos votados para compor a assembleia deve ser anunciada no fim deste sábado.

Partidos liberais se retiraram da votação em protesto contra o que chamaram de marginalização das minorias.

(Reportagem de Tamim Elyan)

Mais conteúdo sobre:
EGITO ELEICAO CONSTITUINTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.